ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

PC X PC - AGENTES DE INVESTIGAÇÃO TIROTEIAM ENTRE SÍ

Dois inquéritos são instaurados para investigar troca de tiros entre policiais em Canoas. Policial civil que estava na carona de uma das viaturas foi atingido de raspão na cabeça - ZERO HORA, 04/10/2011 | 11h19min

Após policiais civis e militares trocarem tiros em viaturas discretas nesta madrugada em Canoas, as duas instituições abriram inquéritos separados para investigar o caso.

Durante a manhã, policiais civis e militares apresentaram versões contraditórias sobre quem teria feito o primeiro disparo. De acordo com o delegado Silvio Huppes, da 3ª Delegacia de Polícia, oito policiais foram interrogados — quatro agentes e quatro PMs. Todos afirmam que não foram os primeiros a atirar.

— Ainda temos que apurar as circunstâncias desta troca de tiros — afirmou o delegado.

Em duas viaturas discretas, cinco agentes do Departamento Estadual de Investigação do Narcotráfico (Denarc) realizavam uma investigação na Rua Gildo de Freitas, quando a Brigada Militar recebeu uma denúncia anônima relatando a presença de veículos suspeitos na região. Quatro PMs teriam, então, se deslocado para o local também em uma viatura discreta.

Na troca de tiros, um agente, que estava na carona de uma das viaturas, foi atingido de raspão na cabeça. Ele foi atendido no Hospital de Pronto Socorro da cidade e não corre risco de morrer. É o único envolvido que ainda não depôs.

As nove armas e os três veículos usados pelos policiais foram apreendidos. As armas serão encaminhadas à perícia e a Polícia Civil aguarda o laudo do Departamento de Criminalística do local da troca de tiros. Outras testemunhas ainda serão escutadas.

Huppes considera a situação preocupante para a segurança pública:

— Nunca tinha presenciado uma coisa assim. Duas forças policiais que têm o papel de proteger a sociedade acabam entrando em confronto.

A Brigada Militar também instaurou inquérito para apurar o caso. Segundo o diretor do Denarc, Joel Souza Oliveira, as duas cúpulas da polícia trocam informações para que os levantamentos sejam complementares.


Em viaturas discretas, policiais civis e militares trocam tiros em Canoas. Denarc realizava investigação quando BM foi chamada por denúncia de veículos suspeitos. Policiais civis e militares trocaram tiros nesta madrugada no bairro Olaria, em Canoas. RADIO GAÚCHA, ZERO HORA, 04/10/2011, 07h40min, Atualizada às 10h56min

Duas viaturas discretas do Departamento Estadual de Investigação do Narcotráfico (Denarc), da Polícia Civil, realizavam uma investigação na Rua Gildo de Freitas, quando a Brigada Militar recebeu uma denúncia anônima relatando a presença de veículos suspeitos.

A BM teria, então, se deslocado para o local também em uma viatura discreta. Logo que os PMs chegaram, houve troca tiros e um agente do Denarc foi atingido de raspão.

Ele foi medicado no Hospital de Pronto Socorro da cidade e liberado.

Os policiais envolvidos no caso foram levados para prestar depoimento e nove armas foram apreendidas.

A 3ª Delegacia de Canoas investiga o caso.