ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 10 de dezembro de 2011

VELHOS TRUQUES


WANDERLEY SOARES, O SUL
Porto Alegre, Sábado, 10 de Dezembro de 2011.


Na área da segurança pública, há mágicas formas de acalmar o clamor público.

Os governos, em termos de segurança pública, têm diferentes estratégias, que também podem ser chamadas de truques, para driblar o clamor público, remendar os rasgos mais agudos e rolar o conjunto da obra lá pra frente. E tais estratégias ou truques são recebidos pelas comissões de aplauso de forma faceira e incondicional, mal e mal tocando na raiz da questão, que se resume em quebrar o galho pra ver o que acontecerá amanhã e que não foi previsto pela cigana. São bons os truques? São. Ajudam? Ajudam. Resolvem? Não resolvem. Um desses truques é a festa pela abertura de concursos para as organizações policiais. No anúncio dos concursos a idéia transmitida é de que os novos policiais amanhã estarão nas ruas. No entanto, nem todas as vagas serão preenchidas e segue-se a preparação nas academias, onde nem todos conseguem chegar ao fim com sucesso. Paralelamente, há o ralo das aposentadorias, pois um policial bem preparado e experiente ganha mais na iniciativa privada do que no Estado e, com a remuneração de jubilado, passa, então sim, a ter uma vida digna em todos os sentidos. Da minha torre acredito nos concursos, evidentemente, mas eles só terão real importância quando, fora da ideia festiva e efêmera, passem a dar uma estrutura sem rachaduras previsíveis nas organizações policiais.

Captura

A Brigada Militar frustrou um assalto a uma joalheria no Centro de Guaíba, na manhã de ontem. Dois homens armados invadiram um estabelecimento localizado na rua Cônego Sherer, mas acabaram presos.

Recapturado

O criminoso que fugiu do Hospital Vila Nova foi recapturado na Zona Norte de Porto Alegre. Leonardo da Silva Mallet, o Gigio, estava num Vectra roubado, em companhia de dois homens, quinta-feira, perto da Ceasa. Os bandidos entraram em confronto com os PMs. Gigio acabou baleado. Um de seus companheiros foi preso e o outro fugiu. Gigio, que cumpria pena de 16 anos no Presídio Central, está sob custódia no Hospital Cristo Redentor.

Tiroteio

Na madrugada de ontem, uma patrulha da Brigada Militar abordou suspeitos num automóvel Kia Soul, no bairro Restinga. Houve perseguição e a Brigada fez o cerco, quando ocorreu o confronto na estrada João Antonio da Silveira. No tiroteio, morreu um bandido e quatro ficaram feridos. Um PM saiu ferido na mão. O tenente-coronel Clóvis Reis afirmou que os criminosos tinham várias armas e estão envolvidos com tráfico de drogas.

Ninguém leva nada

Terminou sem acordo o encontro de delegados da Polícia Civil com o chefe da Casa Civil do Piratini, Carlos Pestana. O governo não garantiu realinhamento salarial para a categoria. Conforme o presidente da Associação de Delegados, Wilson Müller, foi apenas mais uma reunião. Os delegados querem que os salários sejam equiparados aos vencimentos dos procuradores do Estado, cujo básico inicial chega a R$ 16 mil. Os oficiais de nível superior da Brigada Militar também deverão ter um encontro com Carlos Pestana. Os oficiais buscam isonomia com os delegados. Até agora ninguém está levando nada, mas o governador Tarso Genro anunciou a promoção natalina de 2,8 mil praças, o que não deixa de ser um aumento salarial.