ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

MILÍCIAS - NOVE PMs E UM PC SÃO ACUSADOS DE INTEGRAR GRUPOS

Nove PMs e um policial civil são presos acusados de integrar milícias. Três quadrilhas de Brás de Pina e de Cordovil foram alvo da operação. DUILO VICTOR. ANA CLAUDIA COSTA - O GLOBO, 23/12/2011

RIO - Dezenove pessoas, entre elas um policial civil e nove PMs, foram presas nesta quinta-feira numa operação desencadeada pela Corregedoria Geral Unificada e pela Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco), para desarticular três grupos de milicianos que agiam em Brás de Pina e Cordovil. Entre os PMs presos, cinco são do 16 BPM (Olaria). De acordo com o delegado Marcelo Ferreira, da corregedoria, os três grupos exploravam serviços como "gatonet" (TV clandestina por assinatura), venda ilegal de sinal de internet, distribuição de gás e transporte alternativo, atendendo mais de 20 mil pessoas. As quadrilhas, disse o delegado, arrecadavam milhões de reais por mês.

Para o operação, foram mobilizados 250 policiais civis e militares. Foram expedidos 30 mandados de prisão e 67 de busca de apreensão. As investigações, segundo a polícia, começaram há cinco meses, a partir de uma briga entre dois grupos e de uma tentativa de homicídio. Uma das milícias, chefiada por dois irmãos que são sargentos da PM, tentou matar o cabeça de outra quadrilha, o também sargento da PM Márcio Gabriel Simão. Ele foi preso na quinta-feira.

Ainda estão foragidas 11 pessoas. Na ação, foi fechada uma central de "gatonet", e agentes apreenderam computadores, uma escopeta calibre 12, munição, carregadores, documentos, planilhas de pagamento de funcionários e de cobrança de serviços.

Após a operação, o corregedor da Corregedoria Geral Unificada, Giuseppe Vitagliano, disse que, desde a posse do comandante da PM, coronel Erir Costa Filho, em 29 de setembro, 48 policiais já foram expulsos da corporação por desvio de conduta.

— Desde o início do governo Sérgio Cabral, já foram presos 600 milicianos. A sociedade não tolera mais desvio de conduta. Não aceita mais isso. É tolerância zero — concluiu.