ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

USO DE VIATURAS POLICIAIS EM FESTA SERÁ APURADA


FESTA COM VIATURAS. Secretário manda apurar uso de veículos oficiais. Titular da Segurança, Michels quer identificar quem teria usado carros discretos em aniversário - JOSÉ LUÍS COSTA, zero hora 23/04/2012


Por ordem da Secretaria da Segurança Pública (SSP), a Polícia Civil vai abrir uma sindicância para apurar o uso de viaturas oficiais por parte de delegados e agentes que estiveram na festa de aniversário do chefe de Polícia, Ranolfo Vieira Júnior, na quinta-feira. A presença de carros da corporação na comemoração dos 46 anos do delegado foi registrada por uma equipe de Zero Hora na noite da festa. Foram vistos no estacionamento da Associação Atlética Banco do Brasil (AABB), na zona sul da Capital, 19 viaturas – cinco preto e branco e 14 em cores variadas, sem o logotipo da corporação, as chamadas viaturas discretas.

Por meio da assessoria de comunicação da SSP, o secretário Airton Michels afirmou que vai chamar o delegado Ranolfo para uma conversa, que poderá ocorrer hoje. A ordem será instaurar uma apuração interna para identificar quem teria usado indevidamente carros oficiais discretos.

Só os policiais em serviços de plantão ou em escalas de sobreaviso naquela noite poderiam se deslocar com viaturas até a AABB para abraçar o chefe de Polícia. É praxe esses delegados e agentes rodarem com os carros oficiais, pois podem ser acionados a qualquer momento para atendimento de ocorrências.

Entre as viaturas discretas, 11 eram do modelo Focus, a maioria de repartições policiais da Capital e da Região Metropolitana. Uma deles pertenceria à Delegacia de Polícia Regional de Porto Alegre, mas o titular, Cleber Ferreira, garante que nenhum carro da delegacia foi usado:

– Temos dois Focus. Um está na oficina, sem condições de rodar. O outro ficou comigo. Não estive na festa. Quebrei sete costelas em um acidente doméstico e sentia muita dor naquele dia. Se tivesse ido, iria com meu carro particular.

Presença de agentes do GOE também é questionada

O secretário Michels também quer saber de Ranolfo o motivo para que seis agentes do Grupamento de Operações Especiais (GOE), grupo de elite da Polícia Civil, fardados e armados, atuarem no serviço de recepção e de segurança da festa. Para o secretário, pareceu desnecessária a convocação do GOE. A forma como a sindicância será conduzida e o prazo deverão ser definidos hoje.

Tradicionalmente, o aniversário do chefe de Polícia é tratado como evento institucional da corporação, com convidados pagando o ingresso para o jantar. Na festa de Ranolfo, 350 pessoas estiveram presentes entre desembargadores, juízes, promotores, secretários de Estado e prefeitos, além de outras autoridades.

Por causa disso, o episódio também é delicado para outros órgãos. Procurada por ZH, a assessoria de comunicação do Ministério Público Estadual informou ontem que a instituição ainda não tinha uma posição sobre o assunto. O Ministério Público de Contas prometeu analisar o tema a partir de hoje.

CONTRAPONTO: O que diz a delegada Vanessa Pitrez de Aguiar Corrêa, da Divisão de Comunicação Social da Polícia Civil: "Vamos instaurar um procedimento quando tivermos a relação das placas das viaturas. Apesar de ser um evento institucional, não fizemos o controle de quem compareceu à festa. Se foram 14 viaturas discretas, em um total de 350 convidados, entendo ser um número relativamente pequeno. As viaturas ostensivas do GOE estavam lá porque os agentes foram escalados para fazer a segurança dos convidados. Havia necessidade de reforço de segurança como em qualquer outro grande evento.