ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 19 de abril de 2012

DISTINÇÃO POLÊMICA

Réu em homicídio, delegado é agraciado - ZERO HORA 19/04/2012

O delegado Leonel Carivali, envolvido na operação fracassada que estremeceu a relação entre policiais gaúchos e paranaenses no ano passado, foi agraciado com uma portaria de louvor pelos serviços prestados. Em confronto com o carro onde estavam os bandidos e os reféns, o tiro disparado pelo delegado matou uns dos reféns, o agricultor Lírio Persch.

Segundo o diretor do Departamento de Polícia Metropolitana, Antônio Vicente Vargas Nunes, a distinção concedida em março faz parte de um protocolo seguido.

– Normalmente, é dada quando troca de delegado ou por um ato pontual do policial. Neste caso, foi um registro pelo trabalho feito durante o ano inteiro pelo Carivali. Não é uma infelicidade que vai macular o trabalho dele – explica Nunes.

Segundo o diretor, a portaria de louvor não implica em nenhuma vantagem, como promoção, no caso do delegado, pois ele já faz parte da classe mais elevada da categoria.

Em janeiro, Carivali pediu exoneração da função de diretor da 1ª Delegacia Regional Metropolitana, que ocupava quando houve a ação desastrada em Gravataí. O pedido foi motivado, segundo o ofício, pelo indiciamento dele, que teria inviabilizado a permanência na função.

Só em março, um novo delegado assumiu interinamente o posto e, no mesmo mês, foi dada a portaria de louvor a ele. Por orientação do advogado, Carivali disse que não ia se manifestar sobre o assunto, mas confirmou que recebeu a distinção ao final do período de trabalho na regional.

No mês passado, a 1ª Vara Criminal de Gravataí aceitou a denúncia do Ministério Público Estadual contra 12 pessoas envolvidas na morte do agricultor. Carivali é réu no processo que apura as responsabilidades na morte de Perch, ocorrida em 21 de dezembro de 2011, em um cativeiro em Gravataí.