ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 14 de abril de 2012

PM DE FÉRIAS É MORTO AO INTERVIR EM ASSALTO

De férias. Policial militar à paisana é morto em Esteio. Ele teria tentado intervir em um assalto, quando foi baleado - ZERO HORA ONLINE, 14/04/2012 | 09h12


O policial militar de Esteio Ezequias Bitencourt da Rosa Junior, 24 anos, foi morto com um tiro no peito na madrugada deste sábado. Rosa teria intervido em uma tentativa de assalto por volta das 1h.

Ele estava de férias e caminhava pela Rua 24 de Agosto, no centro da cidade, quando viu dois homens que tentavam assaltar um motorista em frente a um estacionamento. Ao tentar conter a ação, recebeu um tiro no peito. O policial chegou a ser socorrido, mas morreu no hospital.

A polícia ainda não tem suspeitas do bandidos, mas busca imagens de câmeras de segurança de estabelecimentos comerciais da região para tentar solucionar o caso.

Em outubro, Rosa completaria três anos na Brigada Militar. De acordo com o sub-comandante de Esteio Major Flávio Dias de Castro, era considerado um jovem quieto e interessado em suas atividades.

— Ele ainda era um aprendiz, mas nunca causou nenhum problema — comenta.

Natural de São Sepé, o soldado era solteiro. Para os colegas de trabalho, mostrava-se muito apegado à família. Na próxima semana, voltaria ao trabalho depois das férias.