ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 18 de abril de 2012

JUSTIÇA AFASTA POLICIAIS ENVOLVIDOS EM OPERAÇÃO DESASTRADA

OPERAÇÃO DESASTRADA. Justiça afasta policiais paranaenses - CAROLINA ROCHA, ZERO HORA, 18/04/2012

A Justiça gaúcha determinou o afastamento de três policiais civis paranaenses réus no processo que apura o sequestro de dois produtores rurais, em dezembro, em Gravataí. O pedido, feito pelo Ministério Público de Gravataí, é uma medida preventiva, para que os dois delegados e o investigador não interfiram no andamento do processo.

Adecisão da juíza da 1ª Vara Criminal de Gravataí, Eda Salete Zanatta de Miranda, foi publicada na segunda-feira. Ela determina o afastamento dos delegados Danilo Zarlenga Crispim e Renato Bastos Figueiroa e do investigador Fábio Lacerda Gusmão, todos do grupo de elite da polícia paranaense (Grupo Tigre), e determina que eles sejam realocados em outras repartições.

Segundo a denúncia do MP, aceita pelo Judiciário no final de março, Danilo, Renato e Fábio eram encarregados da investigação sobre uma quadrilha de sequestradores que agia no Paraná – o bando atraía produtores rurais ao Rio Grande do Sul com anúncios de venda de máquinas agrícolas. Informados, por escutas telefônicas, de que o grupo sequestraria os produtores rurais Osmar Finkler e Lírio Persch, os policiais não teriam feito nada para impedir a ação dos bandidos. Por isso, a denúncia por “omissão penalmente relevante com relação ao crime de extorsão mediante sequestro”.

O pedido de afastamento havia sido solicitado pelo MP de Gravataí, onde ficava o cativeiro, pois as diligências determinadas pela Justiça estariam sendo realizados pelos próprios denunciados. Em sua decisão, a juíza Eda Salete considera que “a permanência nos cargos estaria prejudicando a isenção das diligências realizadas, colocando em risco a busca da verdade real e a produção probatória, haja vista que os próprios acusados poderiam, em tese, manipular as informações prestadas à Justiça gaúcha.”


Relembre o caso

- Em 21 de dezembro, uma equipe de policiais do grupo Tigre troca tiros, em Gravataí, com o sargento da BM Ariel da Silva (foto), 40 anos, que estava à paisana. O PM morreu. Os policiais estavam no Estado tentando localizar o cativeiro de produtores rurais sequestrados.
- No mesmo dia, outros policiais do Paraná e policiais gaúchos foram até uma casa onde seria o cativeiro dos produtores. Quando os reféns deixavam o local com os sequestradores, em um veículo, o então delegado regional Leonel Carvali atirou. O disparo atingiu Lírio Persch (foto), que morreu no local.