ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 1 de março de 2012

DELEGADO COM TORNOZELEIRA ELETRÔNICA QUASE ASSUME O CARGO

Ex-deputado federal, Francisco Tenório responde por três assassinatos - ODILON RIOS, O GLOBO, 29/02/12 - 22h28

MACEIÓ - Ex-preso e usando tornozeleira eletrônica, o delegado Francisco Tenório chegou a ser nomeado nesta quarta-feira adjunto da Delegacia de Acidentes de Trânsito em Maceió, por ordem da Polícia Civil, mas, no fim da tarde, a 17ª Vara Criminal decidiu que ele não poderia assumir o cargo. O delegado é ex-deputado federal. Horas depois de perder a imunidade parlamentar, em fevereiro do ano passado, foi preso em Brasília e enviado a Alagoas pela Polícia Federal.

Francisco Tenório responde por três assassinatos: o do cabo José Gonçalves, fuzilado em 1997 em um posto de gasolina em Maceió, em operação encomendada por um “consórcio” de deputados, segundo as investigações, e os de mais duas pessoas, uma delas morta instantes após ter saído da casa de Tenório, no condomínio Aldebaran, endereço de luxo da elite alagoana.

O delegado foi solto no carnaval por uma liminar. Ele é monitorado via satélite por tornozeleira eletrônica. Segundo o juiz da Vara de Execuções Penais, Braga Netto, ele tem horários limitados e não pode romper a tornozeleira.

- Se fizer (isso), volta para a prisão - disse.

Enquanto esteve preso, Tenório desfrutou privilégios. Na Casa de Custódia de Maceió, organizou - junto com o prefeito de Traipu, Marcos Santos, afastado do cargo por desvios de verba na merenda escolar - uma ceia de Natal com a família.

Os diretores da cadeia participaram da festa, com direito a foto no Facebook, com as famílias de Santos e Tenório reunidas. Após o escândalo, a Justiça determinou o fechamento da Casa de Custódia, que acabou demolida.

Francisco Tenório é acusado ainda de desviar R$ 300 milhões da folha de pagamento da Assembleia Legislativa. Ele responde por formação de quadrilha, peculato, lavagem de dinheiro e crime contra o sistema financeiro nacional.

Na eleição de 2010, Tenório apoiou o senador Fernando Collor (PTB) ao governo de Alagoas e participou de caminhadas ao lado do líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros. Collor e Renan lançaram, há duas semanas, a deputada federal Célia Rocha (PTB) à Prefeitura de Arapiraca. Se for eleita, Tenório, que é primeiro suplente, assume a vaga na Câmara Federal.