ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 29 de março de 2012

POLICIAL FEDERAL É PRESO POR HOMICÍDIO POR MOTIVO TORPE

SUSPEITO DE CRIME. Policial federal é preso por homicídio - ZERO HORA 29/03/2012

Um policial federal e dois agricultores, pai e filho, foram presos nesta semana por suspeita de envolvimento na morte do taxista Paulo Dahl Strasburg, 48 anos, ocorrida em julho de 2010 em Três Forquilhas, no Litoral Norte. Conforme o delegado Adriano Pinto, o trio deve ser indiciado por homicídio duplamente qualificado, por motivo torpe e por ter sido cometido em uma emboscada.

Segundo a polícia, por trás da morte estaria a relação da vítima com uma adolescente de 17 anos. De acordo com o delegado, depoimentos coletados ao longo de 20 meses apontam que a vítima teria também se envolvido com a mãe da jovem, descontentando o marido da mulher – e pai da garota. O agente, que tem um sítio na região e é amigo dos agricultores, teria se consorciado aos dois por estar interessado na adolescente.

– Foi um crime passional, o agente estava com ciúmes da jovem – explica o delegado.

Arma achada é do mesmo calibre da usada no crime

O agente lotado em Rio Grande foi preso na manhã de ontem em Santana do Livramento, onde atuava nesta semana. Um dos agricultores foi detido em casa durante a tarde. O outro foi preso ainda na segunda-feira. Em sua casa foi encontrado um revólver calibre 32, o mesmo calibre da arma que vitimou o taxista.

Zero Hora não localizou os defensores dos agricultores e do agente. Segundo o delegado, em depoimento, um dos agricultores negou participação no crime, mas seu filho teria relatado durante o interrogatório detalhes do ataque. Já o policial federal seria ouvido ontem à noite.

Os nomes não foram divulgado pelo delegado porque o caso tramita em segredo de Justiça.