ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 24 de março de 2012

CERCO POLICIAL FURADO

Cerco policial no prédio errado - ZERO HORA 24/03/2012

Quatro assaltantes invadiram ontem um escritório de advocacia em Santa Maria, fizeram cinco reféns e fugiram porque a Brigada Militar cercou o prédio errado. Quem alertou a corporação sobre o assalto informou o endereço incorreto.

Por volta das 15h, o bando bateu na porta do escritório na Rua Tuiuti, no Centro. Identificando-se como clientes e perguntando por uma advogada, os homens entraram. Em seguida, dois deles sacaram pistolas da cintura e anunciam o assalto.

Cinco funcionários foram colocados em uma sala, com as mãos amarradas. A mulher do dono do escritório foi levada para o segundo andar da casa, onde os bandidos tinham conhecimento de um cofre.

Uma pessoa que ligou para o 190 avisou que um assalto com reféns acontecia na Tuiuti, mas a 30 metros de distância. Pelo menos cinco viaturas estacionaram em frente ao escritório e montaram um cerco. Após descobrir que o escritório era o errado, os PMs foram para o prédio correto. Mas os criminosos haviam fugido.