ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

ENTRE CHEFIAS E LIDERANÇAS

WANDERLEY SOARES, REDE PAMPA, O SUL.
Porto Alegre, Quarta-feira, 09 de Novembro de 2011.


A crise na segurança pública, em sua contenção, não tem, por ora, as lideranças sonhadas pelo Piratini.

A crise na segurança pública é, praticamente, generalizada e, por ora, crescente. As chefias garantem seus postos e um funcionamento arrastado de suas engrenagens, mas não estão exercendo a liderança sonhada pelo Piratini.

O inconformismo com a política salarial está em ebulição entre os delegados da Polícia Civil e os profissionais de nível médio da corporação.

Na Brigada Militar, está sendo projetada, para o próximo dia 19, uma assembleia geral histórica dos oficiais de nível superior (de capitão a coronel) e os tenentes se movimentam para fundar uma associação independente.

Não é pacífico também o clima entre os profissionais do sistema penitenciário. É sabido, por outro lado, que os praças da Brigada nunca se conformaram com o aumento chinfrim que foram levados a aceitar depois da queima de pneus e da criação de bonecos artesanais. A primavera da praça da Matriz está quente e os aparelhos de climatização estão, aparentemente, desajustados.

Tatuados

A Brigada Militar liberou, neste ano, o uso de tatuagens para salva-vidas civis temporários. A medida visa quadruplicar o número de interessados para a operação Verão de 2012. No ano passado, diversos candidatos foram reprovados por terem tatuagens.