ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

GUILHOTINA - GABINETE MUNICIPAL TRANSFORMADO EM QG DO CRIME.

Investigação da PF revela que delegado Carlos Oliveira transformou gabinete na prefeitura em 'quartel general' de sua quadrilha - O GLOBO, 12/02/2011 - Sérgio Ramalho


RIO - As investigações da Polícia Federal que resultaram na Operação Guilhotina revelam que, após ter sido afastado da Subchefia Operacional da Polícia Civil, o delegado Carlos Antônio Luiz de Oliveira transformou seu gabinete na Secretaria Especial de Ordem Pública (Seop) em "quartel general" de sua quadrilha. Preso na sexta-feira sob acusação de liderar um grupo de policiais civis, militares e informantes envolvidos numa série de crimes, o delegado transferiu integrantes do bando à secretaria municipal, onde ocupava o cargo de subsecretário, do qual já foi exonerado. Mais dois policiais, um militar e um civil, se entregaram ontem à PF.

Confira a lista dos acusados com prisão na Operação Guilhotina na fonte online.

A análise do relatório da PF deixa claro que Carlos Oliveira sabia que estava sendo alvo de investigações. Em conversas telefônicas interceptadas, o delegado demonstrava preocupação com o afastamento da Subchefia Operacional da Polícia Civil. Apesar disso, continuou a manter o controle do grupo, que também atuava como uma milícia na Favela Roquete Pinto, em Ramos.

Essa estratégia de transferir à Seop o núcleo do seu bando é descrita no relatório da PF: "O delegado Carlos Oliveira mantém proximidade e comando em relação a vários dos representados, que constituem a espinha dorsal de sua organização criminosa, formando na Secretaria Especial de Ordem Pública, da prefeitura municipal do Rio, novo quartel general para suas atividades ilícitas".
Delegado nomeou quatro aliados para seu gabinete

Para isso, o delegado nomeou para atuar em seu gabinete pelo menos quatro integrantes de sua quadrilha. Entre eles, os PMs Carlos Teixeira, o Bigu, Roberto Luis Dias de Oliveira, o Beto Cachorro, Cisneiros e Romão, conforme revelam diálogos transcritos no relatório da PF.

Em conversa com Cisneiros, o sargento da reserva da PM Ricardo Afonso Fernandes - apontado como segundo homem na estrutura da quadrilha - diz que o "Dr. Oliveira já está na Seop e que está tentando arrumar uma colocação para Cisneiros e Beto Cachorro".

Dias depois, em nova escuta, eles falam sobre a publicação em Diário Oficial da cessão de Cisneiros. Na gravação, Cisneiros avisa a Afonsinho que a publicação saiu no D.O. e demonstra gratidão pelo apoio de Oliveira.