ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

GUILHOTINA - Ex-CHEFE DE POLÍCIA TERIA AVISADO INSPETOR ENVOLVIDO

Allan Turnowski ligou cinco vezes para inspetor Christiano, diz PF - 21/02/2011 às 23h35m; Antônio Werneck


RIO - Indiciado pela Polícia Federal por vazamento de informação , o delegado Allan Turnowski, ex-chefe de Polícia Civil, em pouco menos de 30 minutos do dia 27 de novembro de 2010 ligou cinco vezes para o inspetor Christiano Gaspar Fernandes, um dos principais alvos da Operação Guilhotina , que já levou à prisão 39 pessoas, sendo 30 policiais suspeitos de envolvimento em crimes. Os telefonemas foram grampeados por agentes federais que, com autorização da Justiça, monitoravam Christiano, na época lotado na 22ª DP (Penha) e que acabou preso. "Caiu na escuta da federal", teria dito Allan ao inspetor, num dos telefonemas gravados.

Operação da PF indiciou 45 pessoas

Em 27 de novembro de 2010, um sábado, forças de segurança se preparavam para entrar no Complexo do Alemão, depois de tomarem a Vila Cruzeiro. Policiais civis e militares continuavam vasculhando a Vila Cruzeiro, supostamente à procura de armas, drogas e traficantes foragidos, enquanto militares do Exército e PMs cercavam o Alemão. Os telefonemas teriam ocorrido à tarde. Apesar de o inspetor naquela época pertencer ao terceiro escalão da 22ª DP, Turnowski telefonou para ele e não para a delegada Márcia Backer, titular da unidade.

O GLOBO tentou contato com Turnowski nesta segunda-feira, mas não conseguiu localizá-lo. O ex-chefe de Polícia tem negado as acusações e afirmado que é inocente. No dia em que foi indiciado pelo delegado Allan Dias, coordenador da Operação Guilhotina, o ex-chefe de Polícia disse que a denúncia não seria aceita pelo Ministério Público. A operação provocou o indiciamento de 45 pessoas, sendo 32 policiais militares e civis, inclusive o delegado Carlos Oliveira, ex-subchefe operacional da Polícia Civil.

- A única conversa gravada em que eu falo sobre a 22ª DP (Penha) é a respeito de um preso que o secretário mandou que eu checasse. Eu falei com ele (o inspetor Christiano Gaspar Fernandes) e realmente existia o preso. Depois, há o diálogo em que eu digo que a nossa corregedoria estava de olho nele, que ele ficasse muito atento, que procedesse dentro da lei - afirmou Allan naquela ocasião.

Beltrame negou ter contado a Turnowski sobre operação

Também naquele mesmo dia, o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, disse em nota que, ao ser informado pela PF sobre policiais civis que estavam achacando um traficante durante a ocupação do Complexo do Alemão, ligou para o então chefe de Polícia Civil. Beltrame contou que cobrou providências de Turnowski, mas em nenhum momento mencionou a Operação Guilhotina.

Turnowski, além de indiciado por vazamento de informações, é acusado por uma testemunha de receber propina de contraventores e de uma quadrilha de contrabandistas que atuaria no comércio popular do Rio . No início da semana passada, ele foi afastado do comando da Polícia Civil, após tensa negociação. Recebeu elogios do secretário de Segurança e do governador Sérgio Cabral, mas foi substituído pela delegada Martha Rocha .