ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 16 de novembro de 2013

POLICIAL DA FORÇA NACIONAL É MORTO EM CONFRONTO NO RIO PARDO



EXCLUSIVO: POLICIAL E MORTO A TIRO EM CONFRONTO COM POPULAÇÃO DO RIO PARDO ( ATUALIZADO COM FOTOS E VÍDEO)

BURITIS NEWS / texto Do G1 RO, 14/11/2013 21675 






Após 12h de operação na sexta-feira (15) em Rio Pardo, distrito de Porto Velhodistante cerca de 350 quilômetros, próximo a Floresta Nacional (Flona) de Bom Futuro, um homem foi preso em flagrante por posse ilegal de arma. Dados sobre o suspeito não foram divulgados. Na casa foram encontrados munições, pólvora, binóculos, rádios e uma arma de fogo. De acordo com o delegado da Polícia Federal Márcio Mamede, o suspeito preso será investigado por participação na morte do policial da Força Nacional ocorrida durante confronto com invasores de terra, na quarta-feira (13), no distrito. Mais cinco pessoas prestaram depoimentos durante a madrugada deste sábado (16).

O comboio com os agentes de segurança saiu de Buritis no início da tarde de sexta-feira com destino ao distrito de Rio Pardo. O trajeto, de cerca de 90 quilômetros de estrada de chão, foi feito em mais de duas horas. Para evitar novas emboscadas, agentes averiguavam as pontes da estrada antes da passagem do comboio. Até a chegada ao distrito, nenhum imprevisto foi registrado.

Polícia analisa condições de ponte antes de
comboio passar (Foto: Taísa Arruda/G1)

Na chegada, agentes colheram informações junto aos moradores do distrito, o que possibilitou a identificação de alguns suspeitos de participação no confronto. Através do relato de testemunhas foi que a polícia chegou a casa do suspeito preso, onde arma e munições foram encontradas.

O preso foi encaminhado para a Unidade de Integração de Segurança Pública (Unisp) de Buritis ainda durante a madrugada, onde foi interrogado e, em seguida, encaminhado para a Casa de Detenção Pública. “Por enquanto esta pessoa está sendo presa por posse irregular de uma arma de fogo. Caso seja comprovada a participação dele no crime que vitimou o policial então novas providências serão tomadas, talvez até a escolta dele para o presídio em Porto Velho”, explica Mamede.

Em uma outra casa, a polícia encontrou pertences do mílitar da Força Nacional morto, mas ninguém foi preso. O material foi encaminhado para Buritis e será periciado. De acordo com o comandante do 7º Batalhão da Polícia Militar Ênedy Dias Araújo, 43 policiais deverão permanecer em Rio Pardo por tempo indeterminado para garantir a ordem pública.

O veículo da Força Nacional, queimado durante confronto entre policiais e invasores de terras na quarta-feira, foi retirado de Rio Pardo e encaminhado para Buritis, onde também será periciado.

O corpo de Luís Pedro de Souza Gomes, de 33 anos, foi velado em Porto Velho e levado para Mato Grosso do Sul, na madrugada deste sábado, por um avião do Corpo de Bombeiros.