ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

BONECO PM É PENDURADO EM PASSARELA DA BR-116

ZERO HORA 22/11/2013 | 08h29

Boneco vestido de brigadiano é pendurado em passarela da BR-116. Na quinta-feira, servidores de nível médio da corporação não aceitaram as propostas de reajuste salarial e de plano de carreira em assembleia


Foto: Mateus Ferraz / Agencia RBS


Um boneco vestido de brigadiano provocou transtorno no trânsito da BR-116, sentido interior-Capital, na manhã desta sexta-feira em Canoas. Pendurado em uma passarela próxima à Avenid Boqueirão, o boneco desviou a atenção de motoristas que trafegavam no local, provocando lentidão no local.

A possível manifestação, semelhante a realizadas em 2011, que ainda não teve a autoria confirmada, é realizada um dia depois de cerca de mil servidores da Brigada Militar, em uma assembleia geral, decidirem rejeitar as propostas de reajuste salarial e de plano de carreira apresentadas pelo Palácio Piratini.

Inconformados com o rumo das negociações com o governo, os brigadianos também formalizaram o pedido de demissão do comandante-geral da Brigada Militar, coronel Fábio Fernandes. As decisões da categoria foram registradas em um documento entregue oficialmente à Casa Civil do Piratini.