ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 23 de novembro de 2013

CONSTRANGIMENTO NA PRAÇA DA MATRIZ

PRAÇA
Fotos: Dagoberto Valteman


O SUL Porto Alegre, Sábado, 23 de Novembro de 2013.


WANDERLEY SOARES

Brigadianos de nível médio pediram a substituição do comandante-geral da corporação, por ora, em férias

Sopram ventos invernais nas recém-iniciadas férias primaveris do coronel Fábio Duarte Fernandes, comandante-geral da Brigada Militar, que permanece em Porto Alegre, coincidentemente quando oficiais superiores debatem os escorregadios critérios das promoções de fim de ano e os brigadianos de nível médio chegam ao ponto de ir às ruas, simplesmente, pedir a sua substituição imediata no comando da corporação. Justo ele, Fábio, que está untado para ser exaltado a juiz, no ano da Copa, do Tribunal Militar do Estado (o Tribunal da Brigada Militar)

Brigadianos de nível médio - soldados, sargentos e tenentes, da ativa e da reserva - rejeitaram, em votação unânime, a proposta do Piratini sobre a questão salarial, plano de carreira e a exigência de nível superior para ingresso na corporação. Cerca de 700 brigadianos, na representação das diversas regiões do RS, decidiram pela rejeição na assembleia geral da categoria, realizada quinta-feira última, na sede da ASSTBM (Associação dos Sargentos e Subtenentes e Tenentes). A decisão da categoria foi entregue, quinta-feira, às 17h, na Praça da Matriz, ao chefe da Casa Civil, Carlos Pestana. Sigam-me


Esmola

No momento da entrega da ata da reunião da família brigadiana a Carlos Pestana, houve concentração de policiais militares estaduais na Praça da Matriz, o que, não obstante a tentativa de minimizar a manifestação por parte do governo, foi um momento singular e vexaminoso para o comando da sobranceira Brigada Militar. Os soldados, sargentos e tenentes, da ativa e da reserva, consideraram a oferta de Tarso Genro uma esmola e classificaram o posicionamento do coronel Fábio Duarte Fernandes, comandante-geral da Brigada, como "lamentável", pois, nas negociações, foi eco do governo quando todos esperavam dele que representasse os anseios da tropa. Dentro desta moldura, os negociadores do Executivo manobram para que tudo ou quase tudo seja transferido para depois do Carnaval


Laboratório do mal


A Brigada Militar localizou, ontem, um laboratório de produção de drogas na Zona Sul de Porto Alegre. Foram presos quatro adultos no loteamento Clara Nunes, bairro Lajeado, e encontradas mil pedras de crack, meio quilo de cocaína, quatro celulares, quatro balanças de precisão e um rádio comunicador na frequência da Brigada


Jurado


O homem preso quinta-feira no Centro de Porto Alegre tem ligações com o PCC, segundo confirmou ontem a Brigada Militar. O criminoso estava foragido de São Paulo e tem dois mandados de prisão contra ele, um deles determinando detenção até 2025. Ele foi detido no terminal de ônibus para Cachoeirinha, localizado na avenida Júlio de Castilhos. O foragido relatou que teria vindo para o RS após ser jurado de morte pelo PCC


Pretensão


A SMSEG (Secretaria Municipal de Segurança) promove pré-conferências para tratar sobre "Sistema Único de Segurança, Integração Estado, Município e Comunidade". É uma boa ideia e, ao mesmo tempo, um passo um tanto pretensioso para uma secretaria que sequer tem controle sobre monumentos do Centro Histórico da Capital.