ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 9 de novembro de 2013

DOIS ASSALTANTES MORREM EM CONFRONTO COM PMS



ZERO HORA 09 de novembro de 2013 | N° 17609

VIOLÊNCIA NA SERRA

Após atacarem loja em Dois Irmãos, criminosos foram perseguidos e cercados em Nova Petrópolis



Dois dos quatro homens que atacaram a Loja Taqi, em Dois Irmãos, na quinta-feira, foram mortos em confronto com a Brigada Militar. De janeiro a ontem, 36 suspeitos morreram durante troca de tiros com PMs no Estado. A quadrilha tinha histórico de atuação em roubos e furtos em Porto Alegre, Ivoti e Viamão. Outros dois suspeitos foram presos.

Ogrupo acabou desarticulado por volta das 22h30min de quinta-feira, depois de mais de 12 horas de buscas em matagais nas proximidades do Ninho das Águias. Maurício da Silva Paiva, 21 anos, e Emerson Luiz Leal Rodrigues, o Memo, 33 anos, devem ser indiciados por roubo, formação de quadrilha e tentativa de homicídio contra os policiais. Os mortos foram identificados como Jefferson da Silva, 32 anos, e Erenaldo Bairros Gomes Júnior, 23 anos.

O quarteto se embrenhou na mata às 9h30min de quinta com dinheiro e eletrônicos supostamente roubados da loja. A perseguição dos policiais começou na BR-116, em Picada Café. O grupo furou a barreira em frente ao posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF), em Nova Petrópolis, dando início ao primeiro confronto.

Próximo ao Ninho das Águias, eles abandonaram o Focus que ocupavam e se esconderam. PMs de Dois Irmãos, Nova Petrópolis e Caxias do Sul cercaram a região e iniciaram as buscas. Às 18h30, Silva e Paiva tentaram sair da mata e depararam com as guarnições. Um tiroteio se iniciou, e Silva acabou morto. Ele tinha um revólver calibre 38. Ferido com um tiro na perna, Paiva e se entregou.

Quatro horas depois, os dois remanescentes tentaram a mesma estratégia de fuga. Um novo confronto começou assim que a dupla deparou com a presença policial na BR-116. Gomes, que portava uma pistola calibre .40, acabou baleado duas vezes: na cabeça e no peito. Ele não resistiu aos ferimentos e morreu no Hospital Nova Petrópolis. Rodrigues teria tentado voltar para a mata, mas acabou detido.

Celulares, tablets, câmeras e dinheiro foram recuperados

Dos quatro, apenas Paiva nunca foi indiciado, embora tenha ocorrências de lesão corporal contra ele. Silva tinha passagens por roubo, receptação e tráfico de drogas e era foragido da penitenciária de Jacuí. Segundo o delegado de Nova Petrópolis, Camilo Pereira Cardoso, que investiga o caso, a principal área de atuação era Porto Alegre. Júnior tinha antecedentes por receptação e porte ilegal de arma. Já Rodrigues tem registros por roubos, estelionato, furtos e arrombamentos, a maior parte cometida em Ivoti.

A suspeita é de que o grupo tenha tomado o rumo de Nova Petrópolis apenas para a fuga, já que nenhum deles tem passagens por crimes na Serra. Rodrigues e Paiva não quiseram prestar depoimento. Celulares, tablets, câmeras e cerca de R$ 5 mil roubados foram recuperados.


SUA SEGURANÇA | HUMBERTO TREZZI

Tempo de enfrentamento

Desde o início de 2012 a Brigada Militar (BM) se envolveu em dezenas de confrontos com bandidos e levou a melhor em quase todos. Na quinta-feira, mais dois assaltantes foram encurralados e mortos. Outros três tinham sido mortos num roubo a banco em Lavras do Sul, há duas semanas. Naquela mesma semana, outros dois criminosos foram mortos em roubos a agências bancárias.

Os policiais militares estão matando mais? Não, segundo os dados oficiais. A BM matou 57 pessoas em 2012 e teve cinco soldados mortos por bandidos. Em 2013, até agora, 36 pessoas foram mortas por PMs gaúchos e um policial militar morreu em confronto.

Parece haver uma maior disposição para o enfrentamento por parte dos policiais, mas a cúpula da BM garante que não. Assegura que só morre quem reage a bala à tentativa de prisão – às vezes, nem esses. Um exemplo citado é o cerco a uma quadrilha em Nova Hartz, realizado há 20 dias. Os bandidos tinham fuzis e estavam melhor armados que os policiais, mas foram cercados. Na dúvida, se entregaram sem combate. E ninguém ficou ferido.

– Eles estavam num mato, sem qualquer testemunha por perto. Se houvesse intenção de executar, dificilmente ficou comprovado. Mas os PMs optaram por realizar a prisão e não atirar nos quadrilheiros, evidência de que não há qualquer orientação para matar – pondera um oficial que participou do cerco em Nova Hartz. O temor de quem está de fora é que, mesmo num cerco justificado, alguma bala perdida mate um inocente. Possibilidade existe. No tiroteio de Lavras do Sul, um funcionário do banco foi ferido de raspão. Mas apoio, até agora, a BM tem.