ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 5 de novembro de 2013

CONDENADOS POR ASSASSINATO DE CORONEL DO EXÉRCITO



ZERO HORA 05 de novembro de 2013 | N° 17605

MAURICIO TONETTO*

CASO ENCERRADO

PMs são condenados por assassinato de coronel

Ex-chefe de aparelho da repressão, Molinas Dias foi morto a tiros na Capital em tentativa de roubo



A Justiça condenou os soldados da Brigada Militar Denys Pereira da Silva, 24 anos, e Maiquel de Almeida Guilherme, 32 anos, pela morte de Julio Miguel Molinas Dias. A vítima era coronel de reserva do Exército que comandou um centro de tortura no Rio de Janeiro durante a ditadura militar.

O crime aconteceu em novembro de 2012 no bairro Chácara das Pedras. Conforme a polícia, os PMs pretendiam roubar o arsenal que Molinas mantinha em casa. O coronel tinha 23 armas, entre revólveres, pistolas e espingardas. Na sentença, o juiz Luis Felipe Paim Fernandes, da 5ª Vara Criminal de Porto Alegre, afirmou: “A ligação de Denys e Maiquel foi mapeada pelas investigações, que demonstraram ações dos denunciados, dentre elas a utilização de veículos e armas para a perpetração do crime”. Cabe recurso à decisão.

Molinas foi executado quando dirigia um C4 na Rua Professor Ulisses Cabral. Ele foi seguido por um Gol clonado que, segundo a Justiça, era ocupado pelos PMs. Um vigia, que trabalhava no bairro, testemunhou o ataque. O cunhado de Denys relatou ao juiz que o PM conduzia um Gol “enrolado” e que pretendia adquirir o carro. O policial, porém, alegou não saber que o carro era roubado.

“É lógico que Denys tinha total e plena ciência que o veículo era proveniente de ilícito, até porque se trata de um policial militar que tinha conhecimento dos procedimentos para verificação da regularidade do automóvel. Não há como acolher a fantasiosa tese defensiva, que tenta fazer crer na ingenuidade de dois PMs que trabalham combatendo o crime, mas não sabiam tratar-se de veículo clonado”, ressaltou Fernandes na decisão judicial.

O envolvimento da dupla começou a ser descoberto a partir de suspeitas de que eles integrariam um grupo de assaltantes que agia na região do 11º BPM, na Zona Norte. O delegado Luís Fernando Martins de Oliveira sustentou que os soldados tinham conhecimento da coleção de armas da vítima.

Justiça decretou a perda da função pública dos policiais

A defesa dos policiais diz que o coronel foi vítima de um acerto de contas. A tese dos advogados é que, por ter comandado o Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), o oficial “sabia muita coisa” sobre um dos períodos mais nebulosos da história brasileira.

– Era muito visado, tinha inimigos. – disse o advogado Carlo Velho Masi.

Ele também afirma que os soldados eram perseguidos no 11º BPM:

– Meus clientes sofriam represálias e ameaças por se negarem a trabalhar como seguranças particulares. Houve uma montagem para incluí-los no fato. Havia uma pressão muito grande da opinião pública para resolver o crime o quanto antes.

Os soldados estão presos na sede do Batalhão de Operações Especiais (BOE). Na decisão, a Justiça decretou a perda de função pública dos PMs – incluindo salários, aposentadoria e benefícios –, o que só deve ocorrer quando esgotarem-se as possibilidades de recursos.

*Colaborou José Luís Costa