ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

ALUNO DE CURSO PARA UPP É INTERNADO EM ESTADO GRAVE. PM NEGA TER HAVIDO TROTE

JORNAL EXTRA, 14/11/13 12:11

Aluno de curso que treina policiais para atuar em UPPs é internado em estado grave após trote; outros teriam sido hospitalizados


O Cefap, onde é feito o treinamento 
Foto: Reprodução da internet / Google Maps


Rafael Soares

Um aluno do Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (CFAP) da Polícia Militar, em Sulacap, na Zona Oeste do Rio, deu entrada, nesta terça-feira, no Hospital Central da corporação, na Zona Norte, após um trote aplicado por oficiais durante a semana de adaptação do curso. Ele teve queimaduras na mão e nos glúteos, além de insolação, e está em estado grave. O rapaz foi obrigado a ficar sentado no asfalto debaixo do sol de meio-dia. Outros alunos também teriam sido hospitalizados e liberados. O curso treina policiais para atuar em Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs).

Os alunos são da 5ª Companhia Alfa e estavam sendo instruídos por quatro oficiais. Há relatos, entre os alunos, de que diversos deles sofreram insolação por conta de choques térmicos — os oficiais teriam jogado água gelada neles suados, debaixo do sol. Quando chegou a hora do almoço, o trote teria continuado: os oficiais teriam dado cinco minutos para 505 alunos beberem água em seis bicas. O almoço da turma também teria durado cinco minutos. Na volta do almoço, cerca de dez alunos passaram mal e não conseguiram levantar. Foram esses que foram obrigados a ficar sentados no asfalto quente ou tiveram a determinação de fazer flexões com a mão no asfalto.

O aluno está internado em estado grave no Hospital da PM 
Foto: Berg Silva



Em nota, a PM negou o trote violento. A assessoria de imprensa da corporação informou que o aluno passou mal quando estava em forma com outros 490 colegas de curso. Ainda de acordo com a nota, o diagnóstico “teria sido uma insolação grave, devido a alta temperatura registrada na tarde de ontem, com sensação térmica próxima a 48°C”. A PM informou que o rapaz respira com a ajuda de aparelhos. Sobre os demais alunos internados, a corporação não se pronunciou.

Leia a íntegra da nota PM: “A assessoria de imprensa da PM informa que o aluno sofreu um mal súbito enquanto estava em forma, junto com outros cerca de 490 alunos no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças, na tarde desta terça-feira (12/11). Ele foi socorrido imediatamente na Unidade de Pronto Atendimento – UPA e, em seguida, levado ao Hospital Central da Polícia Militar – HCPM, onde permanece internado. Seu diagnóstico teria sido uma insolação grave, devido a alta temperatura registrada na tarde de ontem, com sensação térmica próxima a 48°C. No momento seu quadro é estável, mas respira com auxílio de aparelhos. Os oficiais responsáveis pela turma foram substituídos. Um inquérito foi instaurado para apurar o caso.”