ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

QUEDA DE BRAÇO


ZERO HORA 17 de agosto de 2012 | N° 17164

POR TRÁS DA GREVE. Queda de braço com Dilma

Mobilização dos servidores federais que transtorna a rotina dos brasileiros tem como pano de fundo um embate entre as centrais sindicais e o governo de Dilma Rousseff


JULIANA BUBLITZ 

Agreve dos servidores públicos federais que paralisa o país tem um componente político que transcende a luta por salários. Por trás da mobilização, há uma queda de braço entre as centrais sindicais, viúvas do governo Lula, e a presidente Dilma Rousseff, que não aceita pressões e vem priorizando as demandas do empresariado para superar a crise econômica.

O cabo de força se traduz em uma situação inusitada. De um lado, Dilma é aplaudida por grandes empresários – entre eles, multimilionários como Eike Batista. De outro, é duramente criticada por aqueles que sempre estiveram do lado do PT e que, na Era Lula, gozavam de trânsito livre no Planalto.

– Não é de graça que nomes como o de Jorge Gerdau ganharam mais espaço no poder. O problema é que essa visão empresarial só visa o lucro. Não está preocupada com os trabalhadores – reclama um ex-dirigente da CUT.

Assim que os protestos foram deflagrados, a presidente deu mostras de que não pretendia ceder. Deixou claro que os reajustes ao funcionalismo não eram prioridade. A quebra de diálogo soou como uma afronta para os sindicalistas.

– Nós não mudamos em relação ao governo, mas ele mudou em relação a nós. Lula, mesmo que não aceitasse nossas pautas, sempre nos recebeu. Na gestão Dilma, a mesa de negociações foi suspensa – diz o presidente da CUT no Estado, Claudir Nespolo.

Membros de sindicatos ligados à CUT afirmam que, desde então, a União empurra as negociações com a barriga. A insatisfação é tanta que eles decidiram protocolar uma reclamação formal no escritório da Organização Internacional do Trabalho (OIT), ligada à ONU, em Brasília.

– Estão mais preocupados em agradar o empresariado do que em negociar. A categoria não aceita mais ser enrolada – assevera Josemilton Costa, secretário-geral da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef).

Para Costa, Dilma subestimou a capacidade de mobilização do funcionalismo – que, coincidência ou não, escolheu um ano eleitoral para forçar mudanças. Segundo sindicalistas, mais de 350 mil funcionários estariam de braços cruzados. Como Dilma tem até o dia 31 para fechar o orçamento de 2013, eles apostam no tudo ou nada. A decisão é vista com ressalvas.

– A presidente já provou que não aceita faca no pescoço. Com essa radicalização, os sindicalistas podem acabar dando um tiro no pé – avalia o cientista político Valeriano Costa, da Unicamp.

Do lado do governo, a ordem é buscar uma solução para o impasse. Porém, em valores bem mais baixos do que os solicitados pelas categorias: serão oferecidos, em princípio, R$ 12 bilhões, menos de 20% do que o exigido. Para o presidente nacional da CUT, Vagner Freitas, o importante, agora, é que os interlocutores apresentem uma proposta. Seja qual for:

– A demora joga mais água no moinho da greve.