ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 21 de agosto de 2012

POLICIAIS EM GREVE DISTRIBUEM PIZZA

ZERO HORA 21 de agosto de 2012 | N° 17168

PARA MATAR A FOME. Policiais federais em greve distribuem pizza na Capital

Em greve desde o início do mês, policiais federais realizaram uma manifestação criativa ontem em Porto Alegre. Os agentes distribuíram pedaços de pizza em frente ao prédio da Superintendência da Polícia Federal (PF) no Rio Grande do Sul, na Avenida Ipiranga.

Realizada no lugar das operações-padrão, proibidas pelo Superior Tribunal de Justiça, a manifestação chamou atenção para o julgamento do mensalão, que ocorre no Supremo Tribunal Federal, em Brasília.

– Mais de 60 policiais se dedicaram, arduamente, por cerca de dois anos em investigações que levaram à criação deste processo. Infelizmente, esse trabalho todo deve acabar em pizza – afirmou o vice-presidente do sindicato da categoria, Ubiratan Antunes Sanderson.

Entre as reivindicações dos policiais, estão o reajuste dos salários e a criação de um plano de carreira.Durante a paralisação, os agentes mantêm serviços de plantão, flagrantes e custódia de presos. Só haverá atendimento ao público nas sedes regionais e na superintendência da PF em Porto Alegre em casos de urgências. As operações e investigações em curso estão suspensas por tempo indeterminado.