ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 18 de agosto de 2012

AGRICULTOR É MORTO EM CONFRONTO COM A BM

ZERO HORA 18 de agosto de 2012 | N° 17165

TIROS NO CAMPO. Agricultor é morto em confronto com a BM

Polícia Civil apura circunstâncias em que homem de 74 anos foi baleado, ao resistir a abordagem
MARIELISE FERREIRA | ERECHIM/CORRESPONDENTE 

A morte de um agricultor de 74 anos durante o atendimento de uma ocorrência da Brigada Militar em Erechim, na manhã de ontem, é investigada pela Polícia Civil. Revoltados, familiares de Selvino Alexis Michalski alegam que, na tentativa de conter o idoso, houve excesso por parte dos policiais militares. A BM afirma que os PMs reagiram a um disparo feito pelo produtor rural.

Filhos e netos assistiram ao episódio que culminou com a morte do agricultor, às 6h40min. Depois de passar a noite inteira trabalhando, e de ter bebido, Michalski teria iniciado uma discussão com um funcionário da propriedade. Os gritos foram ouvidos por vizinhos, que chamaram a Brigada.

Conforme a corporação, dois policiais foram à propriedade numa viatura, no bairro Agrícola Dois, e tentaram conversar com Michalski. Sem conseguir convencê-lo a largar um revólver calibre 38 que apontava para o funcionário, os policiais pediram reforços. Outras duas viaturas com três policiais se dirigiram ao local.

– Eles usaram a teaser (arma não letal) para dar um choque no meu avô e, quando foi atingido nas costas, ele achou que tinha sido baleado e atirou também – conta Erexauá Michalski.

Os policiais revidaram e atiraram contra o agricultor, usando uma espingarda calibre 12 e uma pistola .40. Atingido no tórax, ele chegou a ser levado ao Hospital Santa Terezinha, mas não resistiu aos ferimentos.

A médica Joice Michalski, filha do agricultor, disse que buscará justiça:

– Ele já estava caído e continuaram atirando. Foi muito violento, os policiais não tinham o mínimo preparo.

O local foi isolado para perícia, e as armas usadas pelos policiais foram apreendidas. O delegado Germano Lima solicitou necropsia para apurar quantos tiros atingiram o agricultor e qual o calibre das armas. Também foi realizado exame de toxicidade para apurar o teor alcoólico e exame para detectar pólvora nas mãos do agricultor, para checar se ele disparou a arma.

Oficial diz que produtor ameaçava empregado

Os nomes dos policiais que atiraram não foram divulgados.

– Vamos tratar o caso como homicídio doloso (quando há intenção de matar) e apurá-lo de forma transparente, independentemente de envolver policiais militares – disse o delegado regional Gerson Fraga.

O comandante do 13º Batalhão de Polícia Militar, tenente-coronel Antônio Gilceu de Souza, anunciou que a BM vai instaurar inquérito policial-militar para apurar o caso:

– O cenário que encontraram foi um homem irado, apontando a arma para a cabeça do empregado, e dizendo que mataria alguém. O resultado poderia ter sido diferente, o soldado ou o funcionário poderiam ter morrido.

Segundo Souza, um dos policiais que atiraram trabalha há 20 anos na corporação e era conhecido do agricultor. Abalado, ele pediu afastamento.


O perfil da vítima

Selvino Michalski mantinha, na parede da sala, a dispensa do Exército – serviu em quartel de Santa Maria, com honra ao mérito. Conhecido na cidade como Verdureiro, ele tirava da horticultura e piscicultura o sustento dos cinco filhos, que se orgulhava de ter enviado à universidade.

Nos últimos anos, o trabalho tirava o sono do produtor. Somado ao sofrimento das perdas acumuladas com a seca deste ano, a depressão o levou ao alcoolismo. O relato de familiares dá conta de um pai honesto, trabalhador, amoroso, mas pavio curto.

– Era o jeito dele colocar o sofrimento pra fora, gritava, dizia que matava, mas não fazia nada – conta o neto Erexauá Michalski.

Era conhecido na comunidade por sua produção de carpas, vendida na Semana Santa.