ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

COMISSÃO DE CIDADANIA E DH RECEBE DENÚNCIA

CORREIO DO POVO 23 DE AGOSTO DE 2012

Comissão recebe denúncias sobre BM


Deputados da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembleia Legislativa ouviram, ontem, relatos de familiares sobre abuso de autoridade e negligência da Brigada Militar em crimes ocorridos em Erechim e Tramandaí. A primeira a falar foi a médica Joice Michalski, filha do agricultor Selvino Michalski, morto por PMs em Erechim, na semana passada. Joice pediu o afastamento dos policiais envolvidos e qualificou a ação como "um ato de brutalidade". Na sequência, foram ouvidos os pais de Lucas Pires, 19 anos, assassinado no dia 29 de julho, após um desentendimento na saída de uma boate, em Tramandaí. Os pais do jovem reclamam de omissão da BM. O suspeito do crime já está preso.

Ontem, o comandante regional de Erechim, coronel João Darci Gonçalves da Rosa, informou que o Inquérito Policial Militar será concluído com a máxima brevidade. Em relação ao caso de Tramandaí, o capitão Leonardo Souza informou que o chamado feito pelo 190 foi atendido e quatro jovens foram identificados como vítimas da agressão. Entre eles estava Lucas, que não apresentava ferimentos. O capitão disse que a reincidência da briga ocorreu antes da chegada da outra viatura.

O presidente da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos, deputado Miki Breier, disse que serão solicitadas informações sobre os dois casos ao comando da Brigada Militar.