ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 5 de junho de 2012

SGT PM E POLICIAL CIVIL SÃO ENCONTRADOS MORTOS DENTRO DA UNIDADE POLICIAL INTEGRADA

 
ZERO HORA, 05 de junho de 2012 | N° 17091
 
COMOÇÃO NA SERRA - CLÉVER MOREIRA

PM e inspetora são encontrados mortos

Suspeita é de que crime em Monte Belo do Sul teve motivação passional


O final de um relacionamento amoroso é a hipótese investigada pela Polícia Civil para explicar as mortes do sargento da Brigada Militar (BM) Sérgio Luis de Campos Chagas, 35 anos, e da inspetora Varinia Bedina, 31 anos, ontem em Monte Belo do Sul, na Serra. Os corpos foram encontrados em uma sala da casa ocupada pelas duas corporações no centro do município de cerca de 3 mil habitantes.

Por volta das 13h30min, uma sequência de estampidos apavorou moradores da cidade. Em um primeiro momento, quem seguia para o trabalho pelas calçadas da Rua João Salvador, no Centro, pensou que se tratava de um assalto a banco. Foi o caso de um agricultor de 42 anos que naquele instante deixava a mulher no serviço, perto da praça central, e dali levaria a filha para o colégio.

– Escutei um tiro de pistola atrás do outro. Mandei minha mulher entrar logo onde ela trabalha. Mas quando passava de carro pela frente da Brigada Militar e da Polícia Civil, percebi que o barulho vinha lá de dentro. Fui embora ligeiro, levando minha filha – conta o produtor rural, que prefere não ser identificado.

Poucos minutos depois, a origem dos disparos atraía dezenas de curiosos para os arredores da casa onde funcionam as duas repartições e o Conselho Tutelar. Dois PMs correram para a sede policial, que estava fechada, o que não é comum. Após arrombar uma janela dos fundos, um policial militar encontrou um cenário assustador. Na sala da Polícia Civil, os corpos dos dois policiais – ele, comandante da BM na cidade. Perto das pernas do PM havia uma pistola .40. Sobre uma mesa estava outra pistola do mesmo calibre.

A dupla de PMs logo acionou colegas de farda, policiais civis e peritos. Quando o grupo de servidores chegou à sede das repartições, uma especulação sobre a tragédia já corria pelas ruas de Monte Belo do Sul: o sargento teria matado a inspetora, com quem manteria um relacionamento amoroso, e se suicidado.

– Ao que tudo indica, foi o que aconteceu – afirmou o comandante do 3º Batalhão de Policiamento em Áreas Turísticas, de Bento, capitão Flávio Alberto Martins.

Policial civil levou pelo menos 10 tiros no rosto e no peito

O delegado Valter Maitelli reuniu informações preliminares que indicam a motivação passional para o crime. O PM não estaria aceitando o fim do relacionamento com a policial civil. Solteira, Varinia residia em sua terra natal, Bento Gonçalves, e diariamente ia trabalhar em Monte Belo, distante 16 quilômetros. Natural de Independência, no noroeste gaúcho, o sargento era casado e havia pelo menos 10 anos morava em Monte Belo do Sul, onde comandava o grupo da BM.

Conforme Maitelli, a policial civil levou pelo menos 10 tiros, distribuídos no rosto e no peito. O PM tombou com um disparo na cabeça.