ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

domingo, 10 de junho de 2012

AFASTADO PM AGRESSOR DE FLANELINHA




ZERO HORA - 10 de junho de 2012 | N° 17096. BRIGA NA PRAÇA. 

BM afasta policial após agressão a flanelinhas. 

Comerciante gravou vídeo de soldado da Brigada aplicando chutes em guardadores de carro

Um soldado da Brigada Militar (BM) foi afastado do policiamento depois de agredir dois flanelinhas em uma praça na zona norte de Porto Alegre. As agressões ocorreram em 16 de maio ao lado do Hospital Conceição e foram registradas em vídeo por uma comerciante e divulgadas na internet recentemente.

O PM, de 23 anos, é lotado no 11º Batalhão de Polícia Militar (BPM) e fazia o policiamento a pé na área do hospital quando viu os dois flanelinhas brigando na praça, supostamente embriagados. De acordo com o comandante do 11º BPM, tenente-coronel Robilar Pacheco, a dupla disputava o ponto para guardar veículos e não era legalizada para fazer o serviço.

O policial fez a abordagem e separou os brigões. Ao serem apartados, os dois flanelinhas caíram no chão. Sem motivo aparente, o PM passou a aplicar chutes e golpes com o cassetete. O comandante do batalhão não sabe o que pode ter causado as agressões.

– O policial teve um descontrole emocional e continuou agredindo. Ele se empolgou, se perdeu. O policial errou, nós reconhecemos. Porém, é um grande problema social que cai no colo da Brigada: uma briga de guardadores de carro na rua, embriagados. O policial estava sozinho, contra dois, a pé, e aí entra também a falta de viaturas – afirmou o oficial.

Policial passou por um programa de reciclagem

Um dos agredidos foi levado ao 11º BPM, mas não quis representar contra o soldado. Como casos desse tipo não dependem do registro, a BM abriu um inquérito, com duração de 40 dias, e afastou o policial de suas atividades operacionais. Ele passou por um procedimento de reciclagem durante uma semana e, atualmente, faz trabalhos burocráticos.

Com dois anos de BM, o soldado nunca tinha se envolvido em episódio semelhante. Ele não tem estabilidade no emprego, que é adquirida após cinco anos, por isso, se no inquérito for apontado que não tem condições de ser policial, seu vínculo não será renovado, adianta Robilar. O nome do soldado não foi divulgado pela Brigada.
CASOS RECENTES:

- 17 de janeiro de 2012 - Dois estudantes africanos afirmaram ter sido agredidos e algemados durante uma abordagem policial a um ônibus na Capital, por suspeita de terem roubado um par de tênis. Um dia após a abertura do inquérito, o comando da BM reuniu as vítimas diante da imprensa e pediu desculpas.

- 2 de fevereiro de 2012 - A BM abriu investigação sobre a agressão de um PM a um adolescente de 14 anos durante a procissão de Nossa Senhora dos Navegantes. Em um vídeo divulgado na internet, o policial aparece dando um soco na vítima, em meio à fiscalização de venda de bebidas no evento.