ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 15 de junho de 2012

PM INVADE CAMPUS DA UNIFESP E PRENDE ALUNOS





















PM invade campus da Unifesp em São Paulo e prende 26 alunos . Jovens protestavam contra falta de recursos. Uma estudante foi baleada no rosto.

Marcio Allemand
Bom Dia Brasil
Globo News - 15/06/12

SÃO PAULO - Os 26 alunos presos após um confronto com a Polícia Militar durante uma manifestação, que começou no final da tarde desta quinta-feira em frente à reitoria do campus Guarulhos da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), prestam depoimento na manhã desta sexta-feira, no auditório da Superintendência da Polícia Federal, na zona oeste da capital. Do lado de fora do prédio da Polícia Federal, cerca de 50 alunos e pais de estudantes protestam, em solidariedade aos alunos detidos, e pedem que o grupo seja solto.

Segundo o advogado que representa os universitários, Sérgio Augusto Oliveira, eles devem responder pelos crimes de formação de quadrilha, pichação de área verde e dano ao patrimônio. Após depoimentos, eles podem ser liberados ou transferido para a carceragem da PF.

Os estudantes protestavam contra a falta de recursos, a infraestrutura precária e a superlotação das salas de aula, quando a PolÍcia Militar invadiu o campus da universidade, em greve há 70 dias, e deu início ao confronto.

De acordo com Sólon Cruxen, pai de Laisy Cruxen, aluna do curso de Letras e que participava da manifestação, uma estudante não identificada foi atingida por uma bala de borracha na perna esquerda. Segundo um plantonista da Polícia Federal, a aluna recusou atendimento porque queria garantir a realização do exame de corpo de delito.

A PF afirma que o emprego da força foi na medida necessária para garantir a ordem. Foram usados bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha.

Os alunos acusam a direção da universidade de ter chamado a PM, e reclamam da ação dos policiais militares. Segundo os estudantes, os policiais já chegaram agredindo os alunos.

A assessoria da Unifesp informou que a instituição não chamou a polícia e disse que o grupo de estudantes é o mesmo que ocupou a universidade no fim de março. Já a PM informou que precisou reagir porque o grupo atirou objetos contra os policiais.


COMENTÁRIO BENGOCHEA - Este fato prova o tamanho do abandono da segurança universitária federal de parte do Governo Federal e da Polícia Federal em todo o Brasil. Sei disto porque fui coordenador de segurança da UFRGS, com status de pró-reitor. Existem circunstâncias e dificuldades próprias tanto das Universidades Federais como da Polícia Federal a quem cabe a competência policial nos delitos que ocorrem dentro dos campus universitários federais. A Polícia Federal deveria intervir e buscar nas Reitorias a construção do plano situacional de segurança universitária, onde o papel a PF teria um papel importante no recrutamento, na formação, na capacitação, no treinarmento e no acompanhamento das coordenadorias de segurança, colocando em alerta suas equipes protas para a contenção de casos como este ocorrido na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) em Guarulhos. A PM não tem competência para atuar dentro dos Campus e sua ação depende da autorização expressa da Reitoria, o que só é aconselhável em casos de urgência ou iminente ocorrência de crime ou grave subversão da ordem.