ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 29 de junho de 2012

BASE DA PM É ALVO DE TIROS

FOLHA.COM 28/06/2012 - 04h51

Base da PM é alvo de tiros na zona sul de São Paulo

MARTHA ALVES
DE SÃO PAULO

Atualizado às 08h11.

Uma base fixa da Polícia Militar foi alvo de tiros na madrugada desta quinta-feira, na estrada Canal de Cocaia, Parque Residencial Cocaia (zona sul de São Paulo).
Por volta 0h30, dois homens em uma moto dispararam quatro tiros contra a base da PM. Os dois policiais que estavam no local conseguiram se proteger e escaparam ilesos.

Os tiros atingiram as paredes da base e o carro de um militar que estava estacionado próximo.

Após o ataque, equipes da PM fizeram um cerco na região para tentar prender os suspeitos, que fugiram. A segurança na base foi reforçada.

Na noite de ontem (27), mais um ônibus foi incendiado por criminosos na Grande São Paulo. Este é o décimo coletivo queimado desde o dia 13.

Segundo a Polícia Militar, um grupo de 20 homens parou o veículo por volta das 22h e mandou todas as pessoas descerem. Em seguida, o ônibus foi incendiado.

A polícia investiga se os casos têm ligação com as mortes de PMs de folga ocorridas nos últimos dias. Ao todo, seis PMs foram mortos. Outras bases da polícia também já sofreram ataques em São Paulo e em Diadema (Grande SP) desde o dia 13.


POLICIAIS MORTOS NOS ÚLTIMOS DIAS
  1. Valdir Inocêncio dos Santos, 39: na porta de casa, em Guaianases (zona leste), no dia 13. Foi atingido por 20 tiros
  2. Domingos Antônio Aparecido Siqueira, 43: no dia 17, também na porta de casa, na frente de mulher e filha. Em São Mateus (zona leste)
  3. Vaner Dias, 44: np dia 20, em uma academia onde era instrutor de lutas, na Vila Formosa (zona leste)
  4. Paulo César Lopes Carvalho, 40: em mercado no Jd. Bento Novo (zona sul), no dia 21. Ele reagiu; um criminoso também morreu
  5. Osmar Santos Ferreira, 31: no dia 22; teve a moto atingida por carro no Jardim Edda (zona sul); os criminosos desceram do veículo e atiraram
  6. Joaquim Cabral de Carvalho, 45: em Ferraz de Vasconcelos (Grande São Paulo), no dia 23


Eduardo Anizelli - 28.jun.12/FolhapressAnteriorPróxima
Base fixa da Polícia Militar que fica na estrada Canal de Cocaia, na zona sul de São Paulo, foi alvo de tiros

SUSPEITOS

Dois investigados sob suspeita de pertencer ao grupo criminoso PCC (Primeiro Comando da Capital) e de participar dos recentes crimes contra policiais militares em São Paulo foram presos nos últimos dois dias.

A polícia, porém, não informou quais são as mortes de PMs nas quais os dois presos estão envolvidos. A reportagem não conseguiu localizar até o momento os advogados de defesa dos dois suspeitos.

Para tentar chegar aos responsáveis pelas mortes de seis PMs, assassinados fora de serviço desde o dia 13, a PM distribuiu aos cerca de cem mil policiais da tropa um cartaz com fotos de procurados.

A polícia apura se as mortes são retaliação da facção contra uma ação da Rota em maio, que matou seis na zona leste.

Existe, ainda, uma suspeita de que a transferência de Roberto Soriano, um dos chefes do PCC, para o presídio de Presidente Bernardes tenha relação com os ataques.

Divulgação