ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 9 de junho de 2012

POLÍCIA FISCALIZA, MAS OLHA PORTA-MALAS

Cópia de multa aplicada a Elize Matsunaga na noite em que ela teria deixado as partes do corpo do marido em um terreno em Cotia





















FOLHA.COM 08/06/2012

Elize foi parada pela polícia quando transportava o corpo do marido


ANDRÉ CARAMANTE
DE SÃO PAULO

A bacharel em direito Elize Matsunaga, 30, chegou a ter seu carro parado pela Polícia Militar Rodoviária de SP quando estava transportando em três malas o corpo esquartejado do marido, Marcos Matsunaga, 42, morto por ela no dia anterior.

Elize foi parada no dia 20 de maio porque o carro dela, uma Pajero TR4, estava com o licenciamento vencido e os policiais militares rodoviários foram avisados que o veículo trafegava pela Rodovia Antônio Romano Schincariol, a SP-127, por um "radar inteligente" sobre o problema. Os PMs a pararam e a multaram, segundo a Polícia Civil de São Paulo.

A multa foi aplicada na região de Capão Bonito (226 km de SP), quando Elize, que seguia para o Paraná, onde pretendia jogar as partes do corpo de Matsunaga, se arrependeu da viagem por causa da filha de um ano e voltou para São Paulo.

Depois de ser parada pelos policiais militares rodoviários e não ser descoberta por transportar o corpo do marido esquartejado, segundo Elize disse à polícia, ela resolveu jogar as partes em Cotia (Grande São Paulo). Depois, ela voltou para o apartamento do casal, na Vila Leopoldina (zona oeste de SP), onde as câmeras de segurança a flagraram sem as malas, por volta das 23h53.

 

Morte do executivo da Yoki


Ela contou à polícia ter jogado as três malas vazias em uma caçamba de entulho, na região da USP (Universidade de São Paulo). A polícia informou não ter mais esperança de encontrar as malas porque elas eram novas e devem ter sido levadas por alguém.

OUTRO LADO
 
Em nota, o Comando da Polícia Militar do Estado de São Paulo disse que Elize foi, de fato, abordada na base localizada em Capão Bonito e que o licenciamento do veículo estava vencido há 20 dias.

No entanto, destaca que a princípio, "as abordagens realizadas pelo policiamento rodoviário são de orientação administrativa" e que "no ato da abordagem, havendo motivos que ensejem uma fundada suspeita, são adotados procedimentos de fiscalização com vistas a irregularidades criminais".
Sobre o licenciamento, a PM ainda disse que existe uma ordem de serviço determinando que, no prazo de 30 dias após o vencimento, deve ser apenas recolhido o documento e realizada a autuação.