ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

UM CRIME EM FAMÍLIA

O SUL Porto Alegre, Sexta-feira, 28 de Fevereiro de 2014.


WANDERLEY SOARES


Sinistro que destruiu viaturas da Brigada é um desafio para a inteligência da corporação.


As linhas de investigação da inteligência da Brigada Militar sobre o incêndio de dez viaturas zero-quilômetro, ocorrido na noite de segunda-feira última, anotado como criminoso e que, entre duas centenas de outros carros, estavam estacionadas do pátio da Academia de Polícia Militar, não estão nada sigilosas e apresentam um aspecto insólito quando a suspeição primeira recai, exatamente, sobre membros da corporação. Num primeiro plano, tal suspeição é recorrente de ações praticadas há algum tempo por brigadianos durante manifestações por melhores salários, quando pneus foram queimados em rodovias e bonecos de PMs enforcados apareceram pela cidade. Tais policiais continuaram na instituição, embora não sendo mais confiáveis, mas contra os quais não foram encontradas provas definitivas. Em outro plano, igualmente curioso, é o de que os 194 alunos - entre homens e mulheres - do curso de capitão na Academia onde houve o sinistro estão com suas vidas sendo investigadas. De outra banda, os 15 PMs que estavam de serviço na Academia no dia e hora do sinistro foram ouvidos e liberados, o que é uma indicação de que eles foram, simplesmente, os primeiros a serem surpreendidos pelo atentado. Lido este quadro, sigam-me


Nova hipótese


Não é preciso ser especialista em disciplina militar para saber que é pouco crível, embora não impossível, que os mesmos PMs que queimaram pneus e enforcaram bonecos durante reivindicação salarial e que, mesmo assim, permaneceram na tropa, virassem incendiários no âmbito de sua própria corporação. Supondo que isso tenha acontecido, a inteligência da Brigada, independente do incêndio das viaturas, está a exigir um arejamento e uma reformulação urgente. Quem sabe até "uma nova hipótese", expressão ao gosto do atual comandante geral da Brigada, coronel Fábio Duarte Fernandes. Na mesma moldura, é de estranhar que alunos e alunas do curso de capitão, que preencheram todos os requisitos para ingressarem na Academia, agora, depois das chamas, passem a ter suas vidas investigadas. Mas, enfim, devo reconhecer, aqui de minha torre, que quando em família alguém é assassinado, Agatha Christie ensina isso, é a família que deve ser investigada em primeiro plano


Máscaras


A Câmara de Vereadores de Porto Alegre aprovou quarta-feira o projeto de lei que proíbe o uso de máscaras em manifestações públicas. Aprovada por 21 votos a 10, a proposta da vereadora Mônica Leal (PP) também estabelece que "a manifestação de pensamento será exercida de forma pacífica, sem o porte ou uso de quaisquer armas e mediante aviso prévio à autoridade policial". O projeto de lei que depende agora da sanção do prefeito José Fortunati (PDT) está marcado, portanto, com o detalhe que dez vereadores, por demagogia ou não, são favoráveis às máscaras


Tensão


Às 23h15min de quarta-feira, 20 passageiros do ônibus da linha Porto Alegre-São Sebastião do Caí viveram momentos de tensão. Um homem que embarcou na rodoviária de São Leopoldo anunciou o assalto e ordenou que o coletivo seguisse para Novo Hamburgo. A Brigada foi acionada e abordou o veículo. O homem foi preso. Não houve feridos.