ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 15 de fevereiro de 2014

CARROS DA POLÍCIA CONTINUAM SEM CÂMARAS, MESMO APÓS LEI

JORNAL MURAL - sábado, 15 de fevereiro de 2014

Em quatro anos, apenas 950 veículos receberam o kit que grava as ações dos agentes.





O DIA

Rio - Em vigor desde agosto de 2009, a Lei nº 5588, que determina que a instalação de sistema de áudio e vídeo nos carros das polícias Civil e Militar e da Defesa Civil, ainda não está sendo plenamente cumprida. De lá para cá, câmeras foram colocadas em apenas 950 veículos da PM, contrariando a lei e também uma promessa do Governo do Estado. Em setembro de 2013, a Secretaria Estadual de Segurança Pública divulgou que, até o fim daquele ano, dois mil carros de vários batalhões — número que não representa 100% da frota — iriam ganhar os kits de videomonitoramento.

“Infelizmente, mais de quatro anos se passaram e a lei ainda não é respeitada. O secretário de Segurança recentemente disse que era preciso haver leis mais rigorosas para combater a criminalidade. Eu acredito que deve haver um rigor maior em cumprir as leis já existentes”, enfatizou o deputado estadual Gilberto Palmares (PT), autor da lei.





Além de inibir que o cidadão seja vítima de abusos, o sistema de monitoramento protege os policiais de falsas acusações. “Já houve tempo suficiente para a instalação gradativa, mas, infelizmente, apenas uma pequena parcela das viaturas foi adaptada ao sistema e, pelo que soube, somente nos batalhões de Niterói e São Gonçalo”, disse o parlamentar.

A Secretaria de Segurança informou que cerca de 950 viaturas da PM tiveram câmeras instaladas até o final de 2013, e que, com a nova frota sendo entregue, mais 1.050 viaturas vão receber o equipamento até o segundo semestre deste ano. No entanto, não revelou a frota total de veículos. O Rio é o segundo estado brasileiro a implantar câmeras em viaturas. O primeiro foi o Ceará. De acordo com o governo estadual, o processo de instalação das câmeras e base tecnológica nas unidades da Polícia Militar tem custo de R$ 18 milhões. Ainda não há previsão de implantação do sistema nas viaturas da Polícia Civil e nem nos carros da Defesa Civil, como determina a lei. Cada viatura circula com duas câmeras: uma no teto, voltada para a frente do veículo, e outra no painel, que mostra a movimentação dos PMs dentro do carro. As câmeras gravam áudio e vídeo e as gravações são armazenadas em um gravador dentro do veículo, sendo descarregadas, via wi-fi, quando a viatura entra no batalhão. As imagens podem ser transmitidas em tempo real, via 3G, mas com resolução não muito boa, ou podem ser vistas no momento em que a viatura retorna à base, gravadas em alta definição
Imagens são arquivadas

Em seu artigo 1º, a lei nº 5588, de 7 de dezembro de 2009, determina que o Poder Executivo instale câmaras de vídeo e de áudio nos veículos que vierem a ser adquiridos para servir às áreas de Segurança Pública e Defesa Civil. O parágrafo único ressalta que a instalação do sistema deverá ocorrer de forma gradativa nas viaturas já existentes. As imagens devem ser arquivadas por um período mínimo de dois anos, podendo ser utilizadas para atender à demanda judicial e administrativa, de acordo com o artigo 3º.

O deputado Gilberto Palmares relembrou o caso do coordenador do AfroReggae, Evandro Silva, para comprovar a importância da proposta: “Não fossem as câmeras, o caso não teria sido esclarecido”, disse, referindo-se a circuitos de segurança que gravaram o assalto no Centro, em 2009.

Reportagem de Roberta Trindadehttp://odia.ig.com.br/