ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

CLIENTE PEGA ARMA DE ASSALTANTE E É BALEADO POR POLICIAL

ZERO HORA  16/02/2014 | 19h04

Confusão na lotérica. Cliente pega arma de assaltante e é baleado por policial em Lajeado. Ação do homem, que possui cursos na área de segurança pública, teria confundido os policiais

Fernanda da Costa



Um cliente de uma lotérica em Lajeado, no Vale do Taquari, foi ferido a tiros por um policial militar durante um assalto. Na tentativa de imobilizar o bandido, o homem resolveu pegar a arma dele, o que teria confundido os policiais.

De acordo com o capitão Rogério Armando Bueno Hoffmann Filho, a Brigada Militar recebeu uma ligação por volta das 16h30min de sábado informando que a lotérica, localizada no bairro Florestal, estava sendo assaltada. Uma equipe, que estava próxima ao local, foi enviada para atender a ocorrência.

Quando o assaltante saiu da lotérica, teria visto os policiais e resolveu voltar ao local. Clientes relataram à BM que ele largou a arma e se jogou no chão, com as mãos na cabeça. Um dos clientes, Fábio Johnes Cardoso, 26 anos, que possui cursos na área de segurança pública, resolveu pegar arma e teria apontado para o assaltante, na tentativa de imobilizá-lo.

Quando os policiais militares entraram no estabelecimento, viram o cliente com o revólver. Filho relata que um dos policiais ordenou que ele largasse a arma, mas o homem resolveu se virar e o policial acabou atirando. O cliente foi ferido com dois tiros na perna, um no abdômen e um no peito, conforme a família.

— Segundo nosso treinamento, se alguém está segurando uma arma e não oferece risco ao policial, temos de verbalizar com a pessoa. Mas quando a arma é apontada na direção do policial, isso o autoriza a atirar, pois ele está correndo risco de morrer — explica o capitão.

Depois da ação, as pessoas que estavam na lotérica relataram à BM que o homem ferido era na verdade um dos clientes e que o assaltante era o homem que estava no chão. O cliente foi socorrido e encaminhado ao Hospital Bruno Born, onde passou por cirurgias e segue internado na UTI, em estado estável.

A mulher dele, Cristiane Isabel Soldi, 19 anos, conversou com o marido na manhã deste domingo. Segundo ela, Cardoso contou que os policiais entraram na lotérica atirando e que não pediram para ele baixar a arma:

— Atualmente ele trabalha no comércio, mas tem vários cursos na área de segurança, como segurança bancária, autodefesa desarmada e ainda serviu quatro anos no Exército. Não é uma pessoa despreparada para este tipo de situação, mas poderia ter morrido. Me disse que ninguém atira no peito para imobilizar uma pessoa.

O major Ivan Silveira Urquia, comandante do 22º Batalhão de Polícia Militar, com sede em Lajeado, não quis dar detalhes sobre o caso e explica que a BM deve instaurar um inquérito na segunda-feira para investigá-lo. A ação do policial militar será analisada peloComando Regional de Polícia Ostensiva do Vale do Taquari.

O assaltante, que possui registros policiais por roubo e tráfico de drogas, foi preso e encaminhado ao presídio de Lajeado. A ocorrência foi registrada na Polícia Civil, que também deve investigar o caso.


ZERO HORA