ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

OUTROS AMARILDOS E PROFUNDO RANCOR


Em audiência, delegado diz que 'podem existir outros Amarildos'. Na primeira audiência no fórum, mulher de vítima afirma nutrir 'profundo rancor' por PMs acusados do crime

ELENILCE BOTTARI
O GLOBO
Atualizado:21/02/14 - 0h58

Elizabeth Silva, mulher de Amarildo, chega no prédio do Tribunal de Justiça para participar da audiência sobre a morte do ex-ajudante de pedreiro Domingos Peixoto / Agência O Globo


RIO — O delegado Rivaldo Barbosa, diretor da Divisão de Homicídios (DH), disse nesta quinta-feira que “podem existir outros Amarildos”, durante a primeira audiência de instrução e julgamento dos 25 policiais militares acusados da tortura e morte do ajudante de pedreiro Amarildo de Souza, morador da Rocinha desaparecido desde 14 de julho de 2013. Segundo Barbosa, os PMs da UPP da favela já praticavam ameaças e torturas contra outros moradores.

Durante o depoimento, Barbosa admitiu que houve falhas na investigação do crime. Ele afirmou que o local em que Amarildo teria sido torturado por policiais, atrás dos sede da UPP, não foi periciado. Disse ainda que o major Édson Raimundo dos Santos, comandante da UPP da comunidade na época, autorizou a tortura contra Amarildo.

Delegado: PMs foram ardilosos

Segundo Barbosa, inicialmente o inquérito indicava que Amarildo poderia ter sido vítima de traficantes, mas acabou se comprovando que houve uma “ação ardilosa” dos policiais para imputar o crime a terceiros. Ao final, ele disse que saía com a consciência tranquila.

Já a delegada Ellen Souto, responsável pelo inquérito na DH, garantiu ter conseguido provas técnicas de que Amarildo não saiu da UPP por espontânea vontade, o que desmontaria a versão do major Édson de que o pedreiro teria sido sequestrado por traficantes ao descer uma escadaria. Segundo ela, as câmeras do local não têm ponto cego, e Amarildo teria sido visto saindo da unidade se isso tivesse realmente ocorrido. A delegada também afirmou que o oficial teria oferecido dinheiro a falsas testemunhas do caso. O objetivo seria manter a versão de que o pedreiro fora morto por traficantes.

A viúva da vítima, Elizabete Gomes de Souza, também testemunha do caso, chegou ao Fórum acompanhada do filho Anderson e da sobrinha Michele Lacerda. Ela disse que espera que seja feita justiça e que os restos mortais do marido sejam localizados. Sobre a expectativa de se ver novamente diante dos policiais acusados do crime, afirmou que está preparada, mas ainda guarda profundo rancor:

— Eu tenho ódio, ódio, ódio. Principalmente do major, que prometeu que meu marido voltaria para casa e disse na minha cara que ele só ficou na UPP por dez minutos e foi embora a pé.

A sessão foi interrompida por volta das 22h, após o depoimento do inspetor Rafael Rangel, chefe de Investigações da Divisão de Homicídios. A juíza Daniella Prado suspendeu então o interrogatório das testemunhas e marcou uma nova audiência para o próximo dia 12.

Audiência foi positiva, avalia promotora

A promotora Carmen Eliza Bastos de Carvalho afirmou que a primeira audiência de instrução e julgamento do caso Amarildo foi muito positiva e que os investigadores da Divisão de Homicídios confirmaram a denúncia:

— Os depoimentos confirmaram toda a investigação. Os depoimentos foram organizados e harmônicos — ressaltou ela.

Segundo a promotora, ainda serão ouvidos policiais civis e militares, entre eles, os cinco que estavam na UPP no momento da tortura de Amarildo. A viúva Elizabete Gomes de Silva, as testemunhas que estavam no bar no momento em que Amarildo foi levado e as duas pessoas que confessaram ter recebido ajuda para inventar uma história de envolvimento da família do ajudante de pedreiro com o tráfico também vão depor no tribunal.

Carmen Eliza disse ainda esperar que, quando o interrogatório dos 25 réus for iniciado, alguns dos policiais mudem a primeira versão dos fatos para contar o que realmente aconteceu durante o tempo em que Amarildo ficou na sede da UPP. Segundo a promotora, os oito policiais denunciados que estavam dentro do contêiner e ouviram toda a sessão de tortura sem nada fazer devem responder pelo mesmo crime:

— Se eles continuarem mentindo vão responder igualmente pelo mesmo crime, porque foram coniventes.

Diferentemente da promotora, o advogado do soldado Dejan Marcos de Andrade Ricardo, Aldo Faro, afirmou que o depoimento foi positivo para a defesa do soldado. Segundo a denúncia do MP, Dejan ficou de guarda em um dos acessos da UPP para impedir a aproximação de qualquer pessoa durante a sessão de tortura:

— Meu cliente trabalhava administrativamente. Ele ficou durante um período na guarda e depois foi para o trailer. Ele não viu Amarildo — defendeu o advogado.



Leia mais sobre esse assunto emhttp://oglobo.globo.com/rio/em-audiencia-delegado-diz-que-podem-existir-outros-amarildos-11664035#ixzz2tsMl3KsT
© 1996 - 2014. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.