ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

domingo, 2 de fevereiro de 2014

PARALISAÇÕES SURPRESAS

FOLHA.COM 31/01/2014 22h11

PM fará paralisações surpresas em Brasília, afirma um dos líderes


MARIANA HAUBERT
DE BRASÍLIA



Diante do anúncio do governo do Distrito Federal de que não irá negociar reajustes salariais diretamente com lideranças da chamada "operação tartaruga", o vice-presidente da Associação de Praças e Bombeiros Militares do DF, Sargento Manoel Sansão, afirmou que os policiais que aderiram ao movimento irão radicalizá-lo nos próximos dias.

Segundo Sansão, os agentes farão paralisações surpresas em dias alternados e por tempo indeterminado. "A insatisfação é geral. Vai dos oficiais aos praças. O culpado do aumento da criminalidade é o governador, que deixou de cumprir as promessas de campanha. Não é justo que a PM tenha o pior salário da área de segurança no DF", reclamou.

Além das paralisações, os policiais que aderiram ao movimento reduziram o ritmo de atendimento das ocorrências e pararam de investigar alguns tipos de crimes. "A PM está de coração partido com o número de ocorrências em Brasília mas a culpa é do governador que não cumpriu suas promessas de campanha", disse.

A categoria cobra reajuste de 66,8%, reestruturação de carreira e reposição de perdas. Os PMs do DF recebem o segundo maior salário para a categoria no país, atrás apenas do Paraná.

De acordo com dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, enquanto no Rio Grande do Sul o salário bruto de um soldado é de R$ 1.375,71, no Distrito Federal o valor chega a R$ 4.122,05, uma diferença de 200%. No Paraná, o salário é de R$ 4.838,98.

Na manhã de hoje, o governador Agnelo Queiroz (PT) se reuniu com os comandantes de todos os batalhões, chefes e diretores da Polícia Militar do DF. Ao final, ele disse que não iria mais tolerar a operação e prometeu tomar todas as medidas necessárias para acabar com a onda de violência, mas não as detalhou.

Agnelo garantiu que não irá negociar questões salariais com as associações dos PMs que estão apoiando o movimento por considerar que elas estão agindo com interesses políticos. "A vida é mais importante que a política. Por isso, a nossa PM, que tem comando, tem a obrigação de garantir a segurança pública no DF. A Polícia Militar tem comando, não tem sindicato. E todas as discussões sobre as reivindicações e necessidades serão tratadas com o nosso comandante geral da PM. [...] Não é admissível que se faça da polícia a luta política", disse.

O comandante da PM, Anderson Carlos de Castro Moura, anunciou que irá aumentar o efetivo policial nas ruas, colocando oficiais e praças para atender aos chamados da população.

Em janeiro foram 68 assassinatos, aumento de 38% sobre o mesmo período do ano passado. E os casos de violência, tradicionalmente concentrados nas cidades-satélites mais carentes, se multiplicam nas áreas mais nobres de Brasília.

"Estaremos a partir de agora com o expediente prorrogado e com todos os oficiais e praças nas ruas afim de intensificar a atividade policial nas ruas para garantir a paz e a tranquilidade e restabelecer a segurança na nossa cidade. Oficial é mais um PM. Ele estará pronto para atender as ocorrências e para fazer a fiscalização e o controle. Todos os coronéis da PM trabalharão na rua", disse Moura.

Sansão, no entanto, ironizou a intenção do governo. "Como vai aumentar efetivo se não tem? Isso é um desrespeito com os policiais e bombeiros, e principalmente, com a população de Brasília", disse.