ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 6 de agosto de 2013

SGT DA ROTA, ESPOSA PM, FILHO, MÃE E IRMÃ MORTOS A TIROS DENTRO DE CASA

ZERO HORA 06/08/2013 | 03h28

Chacina em SP

Casal de policiais militares, o filho e mais duas familiares são mortos em São Paulo. Vítimas estavam dentro de casa e foram baleadas na cabeça



Centenas de policiais e a cúpula da polícia paulistana estão no local do crime
Foto: Alex Silva / Estadão Conteúdo


Cinco pessoas da mesma família foram mortas com tiros na cabeça nesta segunda-feira na Vila Brasilândia, zona norte de São Paulo. As vítimas são um casal de policiais militares, o filho de 12 anos, a mãe e a irmã do homem. Todos foram encontrados sem vida no final da tarde dentro de casa, na Rua São Sebastião.

Segundo informações da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, o PM era um sargento da Rota (Tropa de Elite) identificado como Luis Marcelo Pesseghini. Sua esposa, Andrea Regina Bovo Pesseghini, era cabo da 1ª Cia do 18º batalhão.

Cena do crime intriga a polícia

O Major Olímpio Gomes, da Polícia Militar, disse à Folha de São Paulo que a casa onde as vítimas foram encontradas não apresentava sinais de arrombamento e nem marcas de tiroteio. Ainda não há suspeitos da chacina.

O policial foi encontrado deitado na cama. Ao seu lado, de joelhos, estava a esposa. Próximo a eles, o filho foi achado com uma pistola .40 sob a barriga. A mãe e a irmã do sargento foram encontradas em outro quarto e estavam tapadas com cobertores. A cena levanta a suspeita que elas tenham sido baleadas enquanto dormiam.

No momento em que os corpos foram encontrados, já apresentavam rigidez, reforçando a teoria de que as vítimas haviam sido assassinadas horas antes da chegada da polícia.

O crime foi descoberto pois Andrea não compareceu ao trabalho, não justificou a falta e nem foi encontrada pelos colegas.

Cerca de 200 policiais, entre eles representantes da cúpula da polícia paulista, estavam no local no final da noite de segunda.