ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

PM MATA NAMORADA E SE SUICIDA

ZERO HORA ONLINE, DIÁRIO DE SANTA MARIA, 07/08/2013 | 17h02

Policial Militar mata jovem e morre depois de atirar contra a própria cabeça, em Restinga Seca, na Região Central. Rafael Rebelato era namorado de Bruna Kipper. O crime teria motivação passional


Foto: Naiôn Curcino / Especial


Bruna Kipper, 22 anos, morreu depois de ser atingida por um tiro na cabeça, na tarde desta quarta-feira, em Restinga Seca, na Região Central. O responsável pelo disparo seria Rafael Rebelato, 23 anos, policial militar, que, em seguida, teria atirado contra a própria cabeça. Ele também morreu.

O crime ocorreu na Rua Nossa Senhora do Calvário, perto do quartel da Brigada Militar, onde Rafael trabalhava.

Os dois foram encaminhados para o Hospital São Francisco, de Restinga Seca. Eles seriam transferidos para o Hospital Universitário de Santa Maria (Husm), mas não resistiram e morreram.

Conforme a delegada de Restinga Seca, Elizabete Shimomura, eles eram namorados e o crime teria motivação passional. Segundo a delegada, Bruna queria terminar o relacionamento, mas Rafael não aceitaria o fim do namoro.

A arma do crime foi apreendida.