ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 6 de agosto de 2013

COMANDANTE ACUSOU SECRETARIO DE ESTADO DE TENTAR PROTEGER O TRÁFICO


Ex-comandante da PM acusou secretário de estado de tentar proteger o tráfico. De hábitos simples, o coronel Erir Ribeiro da Costa Filho trocou a residência oficial da Zona Sul do Rio para manter sua rotina na Baixada

ELENILCE BOTTARI
O GLOBO
Atualizado:5/08/13 - 23h56

Em 2003, o então tenente-coronel Erir deixa o 4º BPM - Marcos Tristão/20-5-2003


RIO - Há pouco mais de dez anos, em 20 de maio de 2003, o então tenente-coronel Erir Ribeiro da Costa Filho era preso ao final de um discurso, durante a transmissão de comando do 4º BPM (Mangueira), em que afirmava que estava sendo afastado do cargo pelo tráfico de drogas. Era o final de um cabo de guerra que começara em fevereiro daquele ano quando ele encaminhou um relatório à Secretaria de Segurança Pública informando que o secretário estadual de Esportes e presidente da Suderj, Francisco de Carvalho, o Chiquinho da Mangueira, havia lhe pedido a redução do número de ações da PM no Morro da Mangueira. De acordo com relatório de Erir, os traficantes queriam uma “trégua” porque se sentiam “acuados” e não estavam “vendendo nada”. Na época, o secretário negou a acusação e alegou que fora ao batalhão para falar sobre o risco de haver vítimas de balas perdidas durante as operações feitas pela PM em horário escolar.

Embora o relatório de Erir fosse reservado, ele saiu de cena atirando, ao perder o comando do batalhão.

— Meu secretário de Segurança Pública, hoje, o bem foi derrotado pelo mal através da política — disse Erir, em um dos trechos do explosivo discurso.

Em outro momento, Erir afirmou que a política estava “destruindo gradativamente” a PM. Disse ainda esperar que a governadora (na época, Rosinha Garotinho), ao abrir a Bíblia, fosse “iluminada por Deus, que vai lhe mostrar o caminho certo para a escolha de alguns assessores na área de segurança pública, sem influência política, por ser uma área muito sensível e que pode destruir qualquer sonho político”. Na época, o secretário de Segurança era Anthony Garotinho.

O militar voltaria aos holofotes anos depois, em 2011, quando o assassinato da juíza Patrícia Acioly, em 12 de agosto, deu início a uma das mais graves crises da segurança do estado. Erir foi chamado para assumir o comando da Polícia Militar. Na época, o comandante-geral da corporação era o coronel Mário Sérgio Duarte, que pediu pra sair, depois que as investigações sobre a execução da magistrada concluíram que o crime fora planejado pelo ex-comandante do 7º BPM (São Gonçalo), Cláudio Luiz Silva de Oliveira, que era homem de sua confiança e a quem havia dado o comando do 22º BPM (Maré).

A escolha de Erir foi considerada, na ocasião, um recado direto do secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, à tropa: cerco à corrupção. E, no primeiro discurso que fez sobre o novo comandante, Beltrame frisou que ele teria autonomia para comandar.

Afinado, Erir — que agora dá uma anistia para delitos de menor gravidade cometidos por policiais militares — assumiu afirmando que iria apertar o cinto no combate à corrupção e na escolha dos novos comandantes de batalhões. E, logo de cara, deu o tom de sua administração ao recusar se mudar para a residência oficial dos comandantes da PM, na Praia do Flamengo, para continuar levando uma vida simples, em Nilópolis, na Baixada.

— Os líderes terão que dar o exemplo. Aqueles que não derem o exemplo vão responder — destacou.

A promessa, pelo menos segundo as estatísticas oficiais, foi cumprida. No início deste ano, a PM anunciou ter expulsado 317 policiais em 2012, um recorde na história da corporação. Houve um aumento de 121% em relação a 2011, quando 143 homens da tropa foram expulsos, e de 272% em relação a 2010, com 85 expulsões. Em entrevista, o coronel Erir Ribeiro disse considerar que esse índice estava relacionado à nova filosofia adotada à frente da instituição:

— Eles estão percebendo que não adianta se esconder e continuar na corrupção. Nós vamos deixar esse legado: uma polícia melhor e mais digna. Aqueles que não se adaptarem, que não aceitarem essa nova orientação, vão embora.

Erir perde outra vez para a política que, em poucos anos, já o derrubara e o catapultara ao cargo máximo da PM. Mas, no início de sua gestão como comandante-geral, ele já esteve tão forte que entrou com uma ação contra o estado e ganhou o direito a uma gratificação paga administrativamente a 54 coronéis desde 1994. O processo contra o estado havia começado em 2010, quando Erir estava à frente do 2º Comando de Policiamento de Área (CPA), na Zona Oeste. Na ocasião, não comunicou oficialmente ao Estado-Maior da PM que ingressaria com a ação judicial — norma prevista, para qualquer praça ou oficial, no artigo 49 do Estatuto dos Policiais Militares.