ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 6 de agosto de 2013

SECRETARIO DE SEGURANÇA CRITICA ANISTIA DE PMS


Beltrame critica anistia de PMs e diz que decreto pode ser revogado. Secretário estadual de Segurança do Rio informou que vai pedir explicações ao comandante da polícia

04 de agosto de 2013 | 13h 59

Fábio Grellet - O Estado de S. Paulo


Marcos de Paula/AE
Coronel Erir da Costa Filho anistiou policiais que sofreram punições administrativas

RIO - A decisão tomada pelo comandante da Polícia Militar do Rio, coronel Erir da Costa Filho, de anistiar os PMs que sofreram punições administrativas foi criticada neste domingo, 4, pelo secretário estadual de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame. "Da forma que foi colocado, eu não gostei. Precisamos entender, e a sociedade mais ainda, quais são essas infrações", afirmou o secretário durante visita ao Complexo da Mangueirinha, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

Beltrame disse que foi surpreendido pela medida e que vai pedir explicações ao comandante. Caso discorde da situação, ele admite até revogar a anistia.

O benefício foi anunciado em boletim interno da PM publicado na última quinta-feira. Os policiais que estão detidos nos quartéis poderão voltar ao trabalho regular nas ruas. A PM não informou quantos homens foram beneficiados nem quando o benefício começou a vigorar.

Em comunicado oficial, a PM informa que a anistia foi concedida apenas àqueles que sofreram punições administrativas internas: atraso no serviço, faltas ou ausências não justificadas . "A dispensa do cumprimento da prisão (...) se refere ao fato de a Polícia Militar ter cumprido escalas de serviço mais extenuantes nos últimos dois meses", diz a nota. O informe esclarece que a anistia vale apenas para casos de menor potencial ofensivo e exclui os policiais investigados por desvios de conduta durante as manifestações no Rio. Os casos mais graves, segundo o comando, continuam sob análise do Conselho de Disciplina.

No boletim, atualizado na tarde deste domingo, 4, o comandante da PM elogia "o alto grau de profissionalismo" dos policiais "nas manifestações populares pacíficas e nos protestos ilegítimos e violentos", e também durante os grandes eventos realizados recentemente no Rio (a Copa das Confederações e a Jornada Mundial da Juventude).