ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 6 de agosto de 2013

NO RJ. ANISTIA INTERNACIONAL CRITICA IMPUNIDADE POLICIAL


O ESTADO DE S.PAULO 05 de agosto de 2013 | 19h 09


CLARISSA THOMÉ - Agência Estado


O secretário-geral da Anistia Internacional, Salil Sheety, criticou nesta segunda-feira, 05, o "uso excessivo da força policial" e a impunidade dos crimes cometidos por agentes de segurança no Brasil. Ele visitou a Nova Holanda, favela do Complexo da Maré, onde dez pessoas morreram em ação policial no mês passado.

"O caso Amarildo é um exemplo recente. Faz três semanas que a pessoa desapareceu e não há informações sobre o que aconteceu. Outro exemplo foi a morte de nove moradores da Maré e de um policial. E a reação da polícia foi, novamente, o uso excessivo da força. O que acontece nesse País é que raramente a violência policial é investigada. A impunidade policial é norma, não exceção", afirmou Sheety.

Ele disse ainda que discutirá o desaparecimento do pedreiro Amarildo de Souza com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e com a ministra Maria do Rosário, da Secretaria de Direitos Humanos. A Anistia Internacional (AI) também faz campanha virtual entre seus três milhões de integrantes, chamando a atenção para o caso Amarildo.

Na tarde desta segunda-feira Sheety se reuniu por mais de duas horas com moradores da Maré e ouviu relatos de violência policial e violação de direitos humanos. "A Anistia Internacional está preocupada como o modo como as forças de segurança respondem com violência e não seguem padrões internacionais nem as leis brasileiras. Há uso excessivo da força policial, execuções extrajudiciais", afirmou o secretário-geral.

Sheety conheceu ainda o projeto "Somos da Maré e temos direitos", apoiado pela AI, que prepara os moradores da favela para a instalação de uma Unidade de Polícia Pacificadora. Já foram distribuídos panfletos sobre o que é legal e ilegal na atuação policial, além de adesivos para serem colados nas portas das casas com a inscrição "Domicílio é inviolável. Os moradores da Maré conhecem seus direitos."