ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 15 de março de 2014

TRAFICANTES QUE MATAM PMS SÃO COVARDE, AFIRMA GOVERNADOR

O ESTADO DE S.PAULO 14 de março de 2014 | 18h 32

Traficantes que matam PMs são covardes, afirma Cabral

THAISE CONSTANCIO, ENVIADA ESPECIAL - Agência Estado



Ao comentar na tarde desta sexta-feira, 14, a morte de mais um policial militar em favelas pacificadas, o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), chamou de covarde o traficante que atirou e matou o tenente Leidson Acácio Alves Silva, de 27 anos, na Vila Cruzeiro, zona norte. O crime ocorreu no final da noite dessa quinta (13). Cabral disse ainda que está solidário com a família do oficial.

"A PM e a Polícia Civil do Rio vêm fazendo um trabalho brilhante de enfrentamento da marginalidade. O Rio foi o Estado que diminuiu com maior intensidade os índices de homicídios, desde 2007. Na comunidade do Alemão, da Vila Cruzeiro e da Penha, tivemos uma redução significativa do número de homicídios, que era gigantesco. Era o centro de controle do crime organizado. Hoje, a população circula com tranquilidade", afirmou.

"Nessa madrugada, covardemente, os marginais atiram em um PM e fogem. Até nossa chegada ao governo, a PM enfrentava os bandidos e voltava para o quartel, e quem tomava conta dos territórios eram os bandidos. Hoje, quem toma conta dos territórios é a polícia. Vamos pegar esses covardes com a política de inteligência. Prendemos, essa semana, diversos marginais que tentam desordenar o processo de pacificação e não irão conseguir", completou Cabral, ao participar da inauguração de uma fábrica de cobre no município de Itatiaia, no Vale do Paraíba.



14 de março de 2014 | 18h 08

Traficantes atiram em policiais militares da UPP Rocinha. De acordo com a Coordenadoria de Polícia Pacificadora, os PMs estavam em patrulhamento quando se depararam com um grupo de criminosos armados

Marcelo Gomes - O Estado de S. Paulo


RIO - Menos de 12 horas depois de o tenente Leidson Acácio Alves Silva, de 27 anos, ter sido assassinado em um ataque de traficantes na Favela Vila Cruzeiro, no Complexo da Penha (zona norte do Rio), bandidos atiraram contra PMs na Rocinha (zona sul), por volta das 9 horas desta sexta-feira, 14.

De acordo com a Coordenadoria de Polícia Pacificadora, os PMs estavam em patrulhamento na localidade conhecida como Terreirão, quando se depararam com um grupo de criminosos armados. Os traficantes efetuaram disparos na direção dos policiais, que revidaram. Não houve feridos. Em seguida, os atiradores fugiram. Ninguém foi preso.

Mensagem no Facebook. Na madrugada desta sexta-feira, a mulher do tenente Leidson Acácio, Jaqueline Oliveira, escreveu em seu perfil no Facebook uma mensagem para o marido. Ele foi assassinado no final da noite dessa quinta-feira, 13, após ter sido baleado na cabeça por traficantes.

"Me lembro bem a primeira vez que eu te olhei nos teus olhos eu encontrei, ternura e amor como eu nunca vi igual. Meu amor é muito mais do que eu podia imaginar... Se uma lágrima cair do meu olhar, não leve a mal, é o meu coração querendo te encontrar...", diz a mensagem, ilustrada com uma foto do casal.

Subcomandante da UPP Vila Cruzeiro, o tenente Leidson Acácio foi morto com um tiro na cabeça, por volta das 22h30 de quinta. Ele fazia um patrulhamento com outros policiais na Rua 10, na divisa entre as favelas Vila Cruzeiro e Parque Proletário, quando foi baleado por traficantes. O oficial chegou a ser levado com vida ao Hospital Getúlio Vargas, mas não resistiu ao ferimento na testa.

Os criminosos fizeram quatro ataques simultâneos a PMs em pontos diferentes da região. O tenente Acácio estava na Polícia Militar há pouco mais de três anos, e era lotado na UPP Vila Cruzeiro há três meses.