ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 20 de março de 2014

GOVERNADOR PEDE DESCULPAS OFICIAIS POR ERRO DE POLICIAIS


ZERO HORA 20 de março de 2014 | N° 17738


BARBÁRIE NO RIO. Governador pede desculpas oficiais

Os três PMs envolvidos na operação foram presos disciplinarmente ontem



Em reunião ontem com o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), familiares da servente Claudia Silva Ferreira, 38 anos, que foi arrastada pelo asfalto ao ser transportada por uma viatura da Polícia Militar (PM) depois de ter sido baleada, exigiram mudanças na forma como moradores de comunidades são tratados durante operações policiais em favelas.

– Se não tivesse aquele cara que filmou, este seria só mais um caso de (morador inocente) que tomou tiro, entrou no hospital e morreu – afirmou o vigia Alexandre Fernandes da Silva, 41 anos, viúvo de Claudia, referindo-se ao cinegrafista amador que filmou a mulher sendo arrastada pela viatura da PM depois de ter sido baleada numa operação policial no Morro da Congonha, em Madureira, zona norte do Rio, onde morava.

De acordo com o vigia, o governador pediu desculpas à família pelo episódio e prometeu empenho e rigor nas investigações. O encontro ocorreu no Palácio Guanabara, sede do governo do Estado, na zona sul do Rio, e durou cerca de duas horas. Após a reunião, Cabral não falou com a imprensa. Ele foi representado pelo secretário de Assistência Social e Direitos Humanos, Pedro Fernandes.

– Entendemos que esse é um caso de extrema importância e a investigação tem de ser feita da forma mais rápida e eficaz possível. Oferecemos a inclusão de familiares e moradores da comunidade no Programa de Proteção a Testemunhas, apoio para acelerar processo de adoção dos quatro sobrinhos que Claudia criava, e a inclusão dos parentes nos benefícios sociais do governo. O governador também garantiu que a família será indenizada. Estamos limitados apenas às questões legais, já que cabe à Justiça estipular valores - declarou o secretário. Fernandes.

“Existe o conceito de que na favela todos são bandidos”

Conforme o jornal O Estado de São Paulo noticiou ontem, os três PMs que arrastaram Claudia na viatura constam como envolvidos em 62 autos de resistência (registros de ocorrência em que suspeitos morreram em supostos confrontos com a polícia) no sistema informatizado da Polícia Civil. Pelo menos 69 pessoas morreram nesses supostos tiroteios, desde 2000.

– Existe um conceito de que na favela todo mundo é bandido. Mas lá também tem muito trabalhador, como eu e a Claudia era. As pessoas de bem não podem pagar pelo mal. Está na hora disso acabar. Não pode a polícia chegar na comunidade, dar tiro, matar morador, e depois botar (no registro de ocorrência) que foi troca (de tiros) – disse o viúvo.

Após a reunião com Cabral, os parentes foram se encontrar na sede da Polícia Civil, no Centro, com o chefe da instituição, delegado Fernando Veloso, e o comandante-geral da PM, coronel Luís Castro.

Os subtenentes Rodney Miguel e Adir Serrano Machado, e o sargento Alex Sandro da Silva, suspeitos de transportar no porta-malas do carro da PM o corpo da auxiliar de serviços gerais Cláudia Silva Ferreira, prestam novo depoimento na 29ª DP (Madureira), na tarde de ontem. Eles deixaram o presí­dio Bangu 8, na Zona Oeste, onde estão presos, e chegaram à delegacia às 16h30min.

Um trecho da Estrada do Portela, em Madureira, foi fechada pela polícia para a chegada dos policiais do 9º BPM (Rocha Miranda). Os três policiais militares foram presos disciplinarmente e terão de esclarecer ao delegado em qual circunstância Cláudia caiu do porta-malas e foi arrastada. De acordo com a polícia, eles prestaram depoimento no domingo, mas não revelaram que a auxiliar de serviços gerais havia sido arrastada. O inquérito vai apurar também de onde partiu o disparo que atingiu a moradora.