ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 12 de março de 2014

PMS SÃO INTIMIDADOS E AGREDIDOS POR SOLDADOS DO TRÁFICO

TV GLOBO, FANTÁSTICO Edição do dia 11/03/2014

11/03/2014 21h02 - Atualizado em 11/03/2014 21h12

Vídeo mostra PMs intimidados e agredidos por criminosos na Rocinha. O Jornal Nacional obteve, com exclusividade, imagens que mostram PMs sendo cercados por vários homens na favela da Rocinha. Investigações revelam, segunda a polícia, uma estratégia dos traficantes.





Imagens obtidas com exclusividade pelo Jornal Nacional mostram PMs sendo intimidados e agredidos por bandidos na favela da Rocinha, no Rio. Segundo a Secretaria de Segurança, é uma nova estratégia dos traficantes para desestabilizar o trabalho da polícia. Nesta terça-feira (11), foi preso um suspeito de participação no ataque à Unidade de Polícia Pacificadora da comunidade, no mês passado.

Um homem, segundo a polícia, chefiou o ataque de bandidos contra a Unidade de Polícia Pacificadora da Rocinha, há quase um mês. No confronto, o comandante-geral das UPPs e a comandante da UPP da favela ficaram feridos. Paulo Roberto Santos não reagiu à prisão.

Investigações feitas pela delegacia da Polícia Civil, criada na Rocinha no fim do ano passado, revelam, segunda a polícia, uma estratégia dos traficantes. Imagens gravadas pelas câmeras de monitoramento da UPP, de acordo com a polícia, mostram prestadores de serviço do tráfico. Homens que agem sem fuzis ou pistolas, e têm o objetivo de atrapalhar o trabalho da PM.

Flagrante

O flagrante foi feito no dia 25 de dezembro do ano passado. Depois de uma apreensão de uma mochila, com armas e drogas, uma equipe da Polícia Militar é cercada por vários homens. Há muita discussão, mas os PMs não reagem.

Um homem joga dois tijolos no carro da UPP. Em seguida, empurra e chuta um policial. O PM tenta prendê-lo, mas é contido por uma pessoa.

Um rapaz de camisa verde escura atinge o carro com uma pá de lixo. São oito golpes, que quebram os vidros traseiro e lateral. Um outro bate na viatura com um cabo de vassoura. E mais tijolos acertam o carro.

“O policial precisa realmente ter uma tolerância acima do normal para, exatamente, lidar com esse tipo de atuação técnica. Esses elementos são criminosos que têm o nítido objetivo de desestabilizar a atuação policial, enfraquecer a atuação policial preventiva na comunidade e causar a desordem”, declara o delegado Gabriel Ferrando.

Investigação

A polícia conseguiu identificar quatro homens que, segundo o delegado, participaram do quebra-quebra.

Alex Duarte Monteiro, 21 anos; Clayton Vieira Alves, de 25 - foi ele quem jogou tijolos na viatura e agrediu um dos PMs; Jony Moreira de Lima, 21 anos - é o rapaz que usou uma pá para destruir o carro; Leandro Oliveira Coelho, tem 31 anos. No início do tumulto, ele tentou conter os ânimos, mas, depois, também quebrou um tijolo na viatura.

O delegado informou que todos têm passagens pela delegacia. O delegado vai pedir a prisão deles por sete crimes.

“Nós conseguimos identificar grande parte dos elementos e eu irei pedir a prisão desses criminosos pelo crime de associação para o tráfico”, afirma o delegado.

Diariamente policiais da UPP da Rocinha trocam tiros com traficantes. E moradores estão preocupados com o aumento da violência.

UPP na Rocinha


“A gente fica com medo sim, como todo mundo, porque a gente não sabe o que pode acontecer. A qualquer hora às vezes você chega, tem tiroteio”, revela uma moradora da Rocinha.

“O pessoal fala que a gente tem segurança, a gente não vê”, diz um outro morador.

A comandante da UPP da Rocinha pede a colaboração dos moradores. “Não há ação nenhuma que aconteça nessas comunidades em processo de pacificação, inclusive aqui na Rocinha, que venha impedir o trabalho da Polícia Militar, que venha desmotivar o trabalho da Polícia Militar e que venha alterar qualquer tipo de planejamento. Pelo contrário, a gente, a partir desse momento, é uma oportunidade de a gente pedir aos moradores que denunciem, que contribuam com o nosso trabalho diário aqui para que a gente, em um menor tempo possível, a gente consiga retirar esses marginais dessa comunidade que é uma comunidade maravilhosa”, declara a major Priscila Azevedo, comandante da UPP da Rocinha.


<iframe width="560" height="315" src="//www.youtube.com/embed/5gpYkOcLzXg" frameborder="0" allowfullscreen></iframe>)