ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 15 de março de 2014

PM DA UPP DA ROCINHA É MORTO APÓS SAIR DE FESTA

O ESTADO DE S.PAULO 15 de março de 2014 | 12h 21

Autores identificaram Leonardo do Nascimento Mendes e dispararam dez tiros; é o 11º caso de assassinato de policiais de unidades pacificadoras
Fábio Grellet


RIO - O soldado Leonardo do Nascimento Mendes, que atuava na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha, na zona sul do Rio, foi morto ao ser reconhecido quando saía de uma festa em Cordovil, na zona norte, por volta das 6h30 deste sábado, 15.

Leonardo estava de folga e conversava com amigos na calçada da rua Tenente Palestrine quando homens passaram em um carro, gritaram "Perdeu, polícia" e dispararam cerca de dez tiros. Além do soldado, outras duas pessoas foram atingidas de raspão.

Leonardo foi socorrido e levado ao Hospital Getúlio Vargas, na Penha (zona norte), mas chegou morto. Outros 11 policiais que atuavam em UPPs já foram mortos. O caso mais recente, antes de Leonardo, foi do tenente Leidson Acácio Alves, de 27 anos, assassinado com um tiro na cabeça, na divisa entre a Vila Cruzeiro e o Parque Proletário, na Penha (zona norte), por volta das 22h30 de quarta-feira.

Depois desse episódio, foi anunciado um reforço no policiamento dos conjuntos de favelas da Penha e do Alemão: 300 PMs serão transferidos para a área. Na manhã deste sábado, 200 já reforçavam o policiamento. Mais 100 devem chegar neste domingo.

Rocinha. Mais um tiroteio entre policiais e criminosos ocorreu por volta das 9 horas na Rocinha. PMs que faziam ronda foram recebidos a tiros na rua Quatro e revidaram. Ninguém se feriu e nenhum bandido foi preso.