ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 15 de março de 2014

MULHER DE PM MORTO NO RIO RELEMBRA INÍCIO DO NAMORO


O ESTADO DE SÃO PAULO, 14 de março de 2014 | 20h 06


MARCELO GOMES E CLARISSA THOMÉ - Agência Estado



A mulher do tenente Leidson Acácio, Jaqueline Oliveira, de 26 anos, relembrou na tarde desta sexta-feira, 14, o início do namoro com o policial, morto com um tiro na cabeça em confronto com criminosos anteontem à noite na Vila Cruzeiro, na zona norte do Rio. "Eu o conhecia desde adolescente. Quando começamos a namorar eu tinha 14 e ele, 15 anos", contou ela após fazer o reconhecimento do corpo do marido no Instituto Médico Legal. O casal não tinha filhos.

Antes, ainda durante a madrugada, Jaqueline postou em seu perfil na rede social Facebook uma mensagem em homenagem ao marido: "Me lembro bem: a primeira vez que eu olhei nos teus olhos eu encontrei ternura e amor como eu nunca vi igual. Meu amor é muito mais do que eu podia imaginar... Se uma lágrima cair do meu olhar, não leve a mal, é o meu coração querendo te encontrar...", diz a mensagem, ilustrada com uma foto do casal.

Quando adolescente, o policial chegou a morar na rua. Ao conhecer uma pastora, passou a frequentar uma igreja evangélica, na qual conheceu a futura mulher. A mãe do PM chegou a se aproximar dos repórteres, no IML, mas foi levada para dentro por outros PMs e orientada a não dar declarações. O policial foi sepultado no cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap (zona norte), ontem à tarde. O comandante-geral da PM, José Luiz Castro, e o coordenador das Unidades de Polícia Pacificadora, Frederico Caldas, foram ao enterro.