ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 21 de março de 2014

OFICIAL É CONDENADO A 36 ANOS PELA MORTE DE JUÍZA


Ex-comandante do 7º BPM é condenado a 36 anos de prisão pela morte da juíza Patrícia Acioli. Tenente-coronel Cláudio Luiz Silva Oliveira foi condenado por homicídio triplamente qualificado e formação de quadrilha

LEONARDO BARROS
O GLOBO
Atualizado:21/03/14 - 8h34




O ex-comandante do 7º BPM (São Gonçalo), acusado de participação na morte da juíza Patrícia Acioli O Globo / Pedro Kirilos


RIO - Depois de cerca de 20 horas de julgamento, o ex-comandante do 7º BPM (São Gonçalo), o tenente-coronel Cláudio Luiz Silva Oliveira, foi condenado a 36 anos de prisão por participação no assassinato da juíza Patrícia Acioli, em 2011. O julgamento, realizado no 3º Tribunal do Júri de Niterói, foi encerrado na madrugada desta sexta-feira. Ele foi condenado por homicídio triplamente qualificado e formação de quadrilha.

Cláudio já cumpria pena há dois anos e três meses num presídio federal em Rondônia. A defesa do ex-comandante pediu ainda o adiamento do julgamento alegando que algumas diligencias não foram feitas. No entanto, a juíza Nearis dos Santos Carvalho Arce, presidente da sessão, não aceitou o pedido.

Vários depoimentos foram tomados durante o julgamento, entre eles o do delegado Felipe Ettore, titular da Divisão de Homicídios (DH) na época em que a juíza foi assassinada, e do promotor de justiça Paulo Roberto Melo Cunha, que trabalhava com a juíza.

Patrícia Acioli foi executada com 21 tiros na porta de casa, em Niterói. Na época, a juíza atuava em processos contra vários PMs do 7º BPM, acusados de envolvimento com milícias e grupos de extermínio.