ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

VÍDEO MOSTRA AÇÃO DE PM NA USP

Vídeo divulgado na web mostra PM agredindo jovem na USP. Sargento e policial que participaram da ação foram afastados pelo comando da Polícia Militar. TATIANA FARAH e LEONARDO GUANDELINE - O GLOBO, 9/01/12 - 20h07



SÃO PAULO - Estudantes da Universidade de São Paulo (USP) divulgaram nesta segunda-feira, na internet, um vídeo em que um policial militar aparece agredindo um jovem que se identifica como estudante da universidade. No vídeo, que segundo o blog dos universitários foi gravado nesta segunda-feira, o PM aparece negociando a saída de um grupo de alunos de um prédio que aguarda por reforma e é ocupado por alunos desde 2009, segundo a reitoria, que não irá se pronunciar sobre o caso.

As imagens mostram um jovem, negro e de cabelo rastafári, fazendo gestos para o policial, que se irrita e pergunta, aos gritos, se ele é um estudante. O rapaz confirma, mas não apresenta a carteira de aluno da USP. O policial exige o documento, mas o jovem diz que dá sua "palavra".

Num rompante o PM agride o estudante. Outros policiais e o grupo de alunos tentam controlar a situação. Depois de dar um tapa, empurrar e sacudir o aluno pela camisa, o policial tira a arma do coldre, mas acaba colocando-a de volta, sem soltar o estudante. O PM arrasta o jovem para fora do prédio e, entre empurrões, ainda dá um outro tapa no rapaz.

Em outro vídeo, feito pelos próprios estudantes, os alunos acusam os policiais de racismo e pedem para que o policial se identifique. O PM se nega a dizer seu nome e orienta outros policiais a fazerem a desocupação do prédio.

Afastamento

A Polícia Militar afastou o sargento André Luiz Ferreira e o soldado Rafael Sazolin, envolvidos nas agressões aos estudantes da USP. Eles irão cumprir funções administrativas enquanto corre a sindicância instaurada nesta segunda-feira para apurar o caso.

O comandante da região Oeste, onde se localiza o campus da USP, coronel Welligton Venezian, condenou a atitude do sargento. Ele informou que não foi comunicado pelo policial do episódio e que soube do ocorrido pelos vídeos da internet. Para o comandante, Ferreira 'teve um destempero'.

- Ele teve um desequilíbrio. Reconheceu que estava nervoso naquele momento – disse o coronel, que conversou com o sargento pelo telefone após tomar conhecimento do caso.
Até o final de tarde desta segunda-feira, o sargento prestava depoimento em seu batalhão na Zona Oeste. Para Venezian, a agressão não deve interferir na relação com os estudantes da USP. A PM foi autorizada a entrar na universidade em agosto do ano passado e, desde então, ocorreram uma série de conflitos com alunos da USP.