ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

domingo, 15 de janeiro de 2012

CHURRASCÃO NA CRACOLÂNDIA


'Churrascão' leva 200 pessoas à cracolândia. Manifestação foi organizada por movimentos socais para protestar contra a ação da PM na região da capital paulista - Gio Mendes, do Jornal da Tarde - O ESTADO DE SÃO PAULO. 1401/2012 | 20h 25

SÃO PAULO - Centenas de pessoas passaram na tarde deste sábado, 14, pelo ‘Churrascão de gente diferenciada – versão cracolândia’, na esquina das Ruas Helvétia e Dino Bueno, na região da Luz, no centro. A manifestação foi organizada por movimentos socais para protestar contra a ação da Polícia Militar na cracolândia, que começou no último dia 3 de janeiro.

Os organizadores estimaram que 800 pessoas circularam pelo protesto desde às 15h30. A estimativa da PM é de que 200 pessoas estiveram na manifestação.

Os viciados se organizavam em filas para pegar o churrasco, que era assado em quatro grelhas. Foram comprados 18 quilos de carne, além de vários frangos. "Conseguimos arrecadar R$ 1.800 em uma vaquinha feita com integrantes de movimentos sociais", disse a assistente social Tina Sampaio, de 68 anos, do grupo Ação da Cidadania contra a Fome e a Miséria e pela Vida.

"Talvez não seja motivo de festa. Mas o churrasco é por causa da opressão da polícia", disse Benedito Ivan de Souza, de 32 anos, que admitiu usar crack há 4 e é frequentador da cracolândia.