ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 28 de janeiro de 2012

PM É PERSEGUIDO E MORTO COM 5 TIROS

PM é perseguido e morto com 5 tiros em São Gonçalo - São Gonçalo online. POLÍCIA-BR em 21/01/2012

O sargento Eli Freitas da Silva, 45, lotado no 12º BPM (Niterói) foi assassinado, no fim da manhã de quinta-feira (19), em frente ao número 292 da Rua Nova de Azevedo, num dos acessos aos morros da Coruja e Martins, em Neves, São Gonçalo. Músico e integrante da banda da PM, Eli estava em sua motocicleta, uma Yamaha preta, quando foi encurralado por ocupantes de um Siena táxi de cor escura. Ele foi atingido por cinco tiros de pistola calibre 380 e morreu no local, após tombar com a motocicleta.

Testemunhas disseram que o policial tentou se proteger. Havia perfurações na mãos, no peito e no rosto dele. A polícia investiga a hipótese de os criminosos terem perseguido Eli após perceberem que ele era policial militar. O bando não roubou a motocicleta do sargento, mas a arma dele não foi encontrada. Policiais da 73ª DP (Neves) investigam o caso.

Fuga - De acordo com a polícia, os assassinos fugiram em alta velocidade, tomando rumo ignorado. Após o crime, PMs do Batalhão de Choque, que faziam operação nas redondezas, foram informados e iniciaram buscas aos criminosos. O atual comandante do 7º BPM (São Gonçalo), tenente-coronel Gilberto Tenreiro, esteve no local do crime e interditou uma das casas, após perceber manchas de sangue na calçada. Os militares cercaram o imóvel, que estava vazio, mas nada foi encontrado.

Família - O sargento Eli morava no Bairro Antonina, em São Gonçalo. Ele era casado e deixou três filhos - dois adolescentes do primeiro casamento e o terceiro com a atual mulher, que ficou ao lado corpo até a remoção. Revoltados, familiares e colegas de farda desconheciam a motivação do crime. “Ele não tinha inimigos e não vinha recebendo ameaças. Era um ótimo policial e um excelente músico. É uma perda para o batalhão e para a corporação. Um amigo e companheiro que se vai de forma covarde. Vamos ajudar a Polícia Civil nas investigações”, lamentou o relações públicas do 12º BPM, tenente Ricardo Garcia.

‘Sempre foi bom pai e bom marido’

O Eli não merecia isso. Sempre foi bom pai, bom marido e respeitado pelos vizinhos. Todos gostavam muito dele. Não imagino quem poderia fazer tamanha maldade a um homem que sempre foi bom com todos. Espero que os autores de tamanha covardia sejam encontrados e seja feita Justiça. Será difícil viver sem ele. Amava a música e ser policial. Agora, está nas mãos de Deus e das autoridades que precisam prender os assassinos de um homem de bem.

Viúva do policial - Investigação

Apesar da motocicleta não ter sido roubada, a possibilidade de tentativa de assalto será investigada. Segundo agentes da 73ª DP (Neves), nenhuma linha de investigação será descartada. O envolvimento de traficantes dos morros da Coruja, Alegria e Martins está sendo investigado. Ontem, policiais do 7º BPM e Batalhão de Choque realizaram operações nas comunidades vizinhas ao local do crime.

Em 2011, 98 PMs foram assassinados

De acordo com a PM, em 2011, 89 policiais foram mortos em folga e nove durante o serviço. No último dia 15 de dezembro, o cabo do 7º BPM (São Gonçalo) Antônio Irapuan Ribeiro dos Santos Junior, 32 anos, foi assassinado com pelo menos seis tiros, na Estrada dos Meneses, em Alcântara, após sacar R$ 6 mil numa agência bancária.

Dois criminosos armados teriam abordado o PM, que caminhou cerca de 500 metros após sair do banco. Ele foi baleado na frente da mãe e não teve tempo de reagir. Irapuan chegou a ser socorrido por colegas de farda, mas morreu após dar entrada no Hospital Estadual Alberto Torres (Heal), no Colubandê. Chocados, familiares do policial não quiseram falar sobre caso.

Fuga - Os criminosos fugiram levando o dinheiro, o celular e a pistola do militar. A mãe dele nada sofreu. Na fuga, os assaltantes roubaram um Gol grafite, conduzido por uma mulher, que foi abordada e retirada do veículo. O carro foi encontrado na Rua Augusto Ruchi, no Bairro Almerinda, em São Gonçalo.

Em 24 de maio de 2011, na véspera de completar um ano na Polícia Militar, o soldado Anderson Luiz Faria Carneiro, 34 anos, lotado no 2º BPM (Botafogo), foi morto a tiros durante uma tentativa de assalto, próximo à sua residência, no Jardim Califórnia, em São Gonçalo. De acordo com a polícia, o militar teria sido reconhecido pelos criminosos e foi executado com três tiros, dois no braço e um no pescoço.

Na ação, um microempresário, 23, amigo do PM, foi atingido por um tiro de raspão na coxa. De acordo com agentes do Núcleo de Homicídios da 72ª DP (Mutuá), a dupla foi alvo do crime conhecido como ‘saidinha de banco’ – quando a vítima é abordada por assaltantes após efetuar saques em uma agência bancária ou caixa eletrônico.