ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 2 de março de 2011

REAJUSTE SALARIAL - PMs E BOMBEIROS EM GREVE PARA FAZER VALER LEI APROVADA.



Policiais militares e bombeiros entram em greve na Paraíba. Delegados da Polícia Civil também devem aderir à paralisação. Grupo quer reajuste salarial; greve segue por tempo indeterminado. Do G1, em São Paulo - 01/03/2011

Policiais militares e bombeiros iniciaram, na tarde de segunda-feira (28), uma paralisação na Paraíba. O grupo reivindica reajuste salarial, e deve permanecer em greve por tempo indeterminado. A greve foi decidida durante assembleia realizada na segunda-feira, em João Pessoa.

“Temos uma lei sancionada na gestão anterior do governo que prevê o reajuste salarial da área da Segurança Pública. O atual governo, no entanto, assumiu e contestou a lei na Justiça. Uma liminar suspendeu a lei e agora estamos tentando negociar o pagamento desse reajuste, mesmo que seja de forma parcelada”, diz o coronel Francisco de Assis Silva, presidente do Clube dos Oficiais da Polícia e Bombeiro Militar da Paraíba.

Segundo a Secretaria de Comunicação da Paraíba, representantes dos grevistas e do governo estão reunidos, nesta terça-feira (1º) para tentar uma negociação. Ainda não há informações oficiais sobre quantos profissionais aderiram à paralisação.
“Estimamos que cerca de 60% dos policiais militares e bombeiros estejam parados, porque estamos recebendo ligações de batalhões do interior que estão aderindo”, afirma Silva.

Caso não haja um acordo com o governo, delegados da Polícia Civil também devem aderir à paralisação. “Nossa greve só começa na sexta-feira [4], como determina a lei das greves, que prevê o anúncio com 72 horas de antecedência. Sabemos que a lei do reajuste foi contestada judicialmente, mas acreditamos que o governo tem condições de pagar esse reajuste, mesmo que não imediatamente”, diz ao G1 o delegado Claudio Lameirão, presidente da Associação dos Delegados de Polícia Civil da Paraíba.

Em nota, a Associação dos Policiais Civis de Carreira da Paraíba informou que os Policiais Civis das categorias de Agente de Investigação, Escrivão de Polícia e Motorista Policial não aderiram à greve e continuam desempenhando normalmente suas funções.