ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 4 de maio de 2012

PM É BALEADO AO FRUSTRAR ROUBO A BANCO

PAROBÉ - ROUBO FRUSTRADO. Bandidos ferem policial militar - ÁLISSON COELHO, ZERO HORA 04/05/2012

Uma tentativa de assalto a um banco de Parobé, no Vale do Paranhana, terminou em tiroteio e deixou um PM baleado. Por volta de 8h30min de ontem, dois homens com roupas pretas circulavam em torno da agência do Banco do Brasil no Centro. O vigia estranhou o comportamento dos homens e chamou a Brigada Militar.

O carro da BM foi recebido a tiros pelos bandidos. Houve tiroteio, e um policial militar foi baleado. Eder Negrini, 33 anos, foi levado para o Hospital São Francisco e depois para o Hospital Cristo Redentor, na Capital, de onde já foi liberado. Ele foi atingido por três tiros na perna e um no punho. Outros dois disparos no peito pararam no colete à prova de balas.

Após o tiroteio, os dois homens fugiram em um Vectra prata. Eles abandonaram o veículo e entraram em uma caminhonete preta, onde havia mais quatro homens. De acordo com a polícia, o grupo não chegou a entrar no banco. A investigação acredita que eles esperavam pela chegada do gerente ou de um carro-forte.

Policiais de pelo menos três municípios realizaram um cerco para prender os assaltantes. A caminhonete na qual eles fugiram seguiu em direção à localidade de Poço Fundo, interior de Parobé. PMs de Sapiranga e Taquara ajudaram nas buscas.

Para a polícia, a escolha da rota de fuga foi cuidadosamente pensada para que os bandidos tivessem acesso a vários municípios. A zona rural para onde os assaltantes se dirigiram é caminho para cidades dos vales do Sinos e do Paranhana. Por meio deles também é possível chegar a Gravataí e Porto Alegre.