ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 4 de maio de 2012

DOIS BRIGADIANOS FORAM BALEADOS EM TIROTEIO COM ASSALTANTES DE BANCO

Tentativa de assalto deixa PMs feridos - CORREIO DO POVO, 04/05/2012

Dois policiais militares ficaram feridos em confronto com uma quadrilha de assaltantes fortemente armada que pretendia roubar um banco ou carro-forte na manhã de ontem, em Parobé. O tiroteio ocorreu quando o efetivo do 32 BPM foi alertado sobre a presença de suspeitos perto do Banco do Brasil, no cruzamento das ruas Odorico Mosmann e Vera Cruz, na área central da cidade.

Ao se aproximar da agência bancária, a viatura Corsa, prefixo 5327, foi alvo de três disparos dos criminosos postados na via pública. Um dos policiais foi atingido com três tiros no braço e na perna. Outros dois tiros ficaram alojados no colete à prova de balas. Outro PM teve ferimentos decorrentes dos estilhaços de munição que acertaram a viatura. Ambos foram socorridos e atendidos no hospital local, e o militar alvejado no braço e na perna foi transferido ao Hospital Cristo Redentor, em Porto Alegre. A quadrilha fugiu em um Vectra, de cor prata, que foi abandonado depois na localidade conhecida como Morro dos Ricos, sendo substituído por uma caminhonete de cor preta, provavelmente uma Tucson, que foi na direção da localidade de Poço Fundo, com acesso a Nova Hartz. A Brigada Militar montou um forte aparato policial na região para localizar os criminosos. Buscas foram realizadas até nos municípios vizinhos, sendo montadas barreiras.

As primeiras informações sobre a quadrilha indicam que seriam seis criminosos, alguns vestidos de terno e gravata e outros com roupas pretas, coletes balísticos e toucas ninjas. Eles estariam portando armas longas, possivelmente espingardas, fuzis e submetralhadoras. Agentes da Delegacia de Repressão a Roubos a Bancos, do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), de Porto Alegre, foram para a região em busca de pistas sobre os criminosos.